Morre escritor Mario Benedetti

- O Estado de S.Paulo

Uruguaio faleceu ontem aos 88 anos de idade em sua casa

O escritor, poeta, contista e dramaturgo uruguaio Mario Benedetti morreu ontem em sua casa, em Montevidéu, aos 88 anos. Benedetti estava com a saúde debilitada há mais de um ano, quando teve problemas respiratórios e uma inflamação no cólon. No dia 24 de abril, foi hospitalizado novamente e, onze dias depois de ter alta, não resistiu. Ele era viúvo de Luz Lopez Alegre, sua companheira de seis décadas, morta em 2006, e não deixa filhos. Um dos mais importantes nomes da literatura latino-americana, Benedetti escreveu 80 livros de poesia, romances, contos e ensaios, além de roteiros para cinema, e recebeu diversos prêmios literários, entre os quais o Prêmio Internacional Menéndez Pelayo, em 2005, e o Prêmio Iberoamericano José Martí, em 2001. Com A trégua (1960), que tem mais de 140 edições em 20 idiomas, e Gracias por el Fuego (1965), Benedetti foi incluído no chamado "boom" do romance latino-americano da década de 60, que conta com nomes como Gabriel García Márquez, Julio Cortázar, Mario Vargas Llosa e Carlos Fuentes. Seus textos traduzem a decadência do Uruguai, com retratos bem elaborados da classe média, em especial dos burocratas, sem tentar esconder seu comprometimento com movimentos esquerdistas. Em agosto de 2008, publicou Testigo de Uno Mismo, em verso, um livro mais introspectivo e distante de seu habitual compromisso sociopolítico. O escritor foi exilado político durante a ditadura uruguaia, vivendo na Argentina, no Peru, em Cuba e na Espanha. Benedetti começou sua carreira literária em 1949 e foi também jornalista, funcionário público e vendedor. Antes de sua última internação, Benedetti trabalhava em um novo livro de poesia, que se chamaria Biografía para encontrarme. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS