Minientrevista

- O Estado de S.Paulo

Dr. Luiz Celso VilanovaProfessor e coordenador do setor de neuropediatria da (Unifesp)

Biologicamente, é possível dizer que meninos e meninas possuem aptidões realmente diferentes? O cérebro de meninos e meninas realmente funciona de forma diferente. Isto já é algo bastante documentado. Meninos são naturalmente mais agitados, eles têm um domínio espacial mais apurado, sabem lidar melhor com mapas. A menina têm um desenvolvimento verbal superior. É de se esperar que as diferenças se manifestem em mais de 75% dos casos. É certo que eles e elas sejam estimulados de acordo com aptidões específicas? Todo indivíduo deve ser exposto ao máximo de possibilidades, para que sua chance de desenvolvimento seja também máximo. Não se deve limitar o padrão de estimulação baseando-se na probabilidade. Estamos falando de tendências e, neste sentido, Garrincha, com suas pernas arcadas, jamais seria jogador de futebol! Nem sempre alguém se sai melhor porque tem mais aptidão. Dedicação conta muito. No caso de esportes,há uma ressalva: a idéia de misturar eles e elas é boa, mas vale lembrar que meninos têm uma força muscular muito superior, o que acaba expondo as meninas a mais lesões.