LHC pode voltar a funcionar em novembro

Jamil Chade - O Estado de S.Paulo

O projeto foi classificado como o maior experimento da física já realizado. Custou US$ 8 bilhões e teria a função de recriar o momento após o Big Bang, que teria gerado o universo. Mas o projeto do acelerador de partículas LHC (sigla em inglês para Large Hadron Collider) corre o risco de ser o maior fiasco da ciência na década e ter seus resultados apenas em 2011. Alguns dos cientistas estão até mesmo buscando trabalho temporário enquanto o aparelho está sendo reavaliado. O Cern (Conselho Europeu para a Pesquisa Nuclear) informou que os testes vão voltar a ocorrer em novembro, mas sem o choque de partículas. O problema é que a data já foi adiada várias vezes. Hoje, a entidade ainda vai anunciar o calendário de atividades para os próximos anos. Na melhor das hipóteses, o choque entre os elétrons ocorrerá no fim de 2010, quase dois anos de atraso. E mesmo assim apenas de forma experimental. Em 2011 é que o aparelho estaria pronto para atuar com toda sua energia. O acelerador - colocado em um túnel de 27 quilômetros entre a Suíça e a França - foi criado para tentar descobrir por que alguns átomos tem massa e outros não. MATÉRIA A experiência consiste em fazer com que milhões de prótons percorram os 27 quilômetros dos túneis compostos por imãs e se choquem. Segundo os cientistas, o LHC ajudará a decifrar mistérios como a estrutura da matéria e as leis que governam a evolução do Universo. James Gillies, porta-voz do Cern, confirmou que "todos estão decepcionados". O que parou os testes foi um problema elétrico.