Em jogo, eles X elas

- O Estado de S.Paulo

Contas Em 2003, o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) avaliou 250 mil jovens de 15 anos e descobriu que meninos têm mais aptidão para matemática. Eles fizeram, em média, 11 pontos a mais do que as garotas nas provas relativas à matéria. Leitura Quando o assunto é português, o mesmo Pisa de 2003 constatou que os meninos, no geral, marcaram 34 pontos a menos do que elas nas provas. A neurologia explica: nos homens, há predomínio do hemisfério cerebral esquerdo, lado ligado à lógica, aos códigos. Trabalho A constatação do Pisa explica a segmentação profissional. Em 2005, as mulheres constituiam 46,8% do mercado de trabalho, mas representavam só 9% dos engenheiro civis e 8% entre os físicos. Em 2001, elas receberam 18% do total de canudos da engenharia. Dinheiro Escolhas profissionais têm impacto no bolso de homens e mulheres. Em 2003, uma pesquisa do Ministério da Educação apurou que o salário de uma profissional com 11 anos ou mais de estudo era R$ 695. Um homem com a mesma escolaridade recebia R$ 1.362.