Doutores em mulher

Agencia Estado - O Estado de S.Paulo

Um é psiquiatra e psicoterapeuta há 35 anos e, na coordenação do Centro de Estudos da Identidade do Homem e da Mulher, obteve matéria-prima de sobra para elaborar suas teses sobre elas. Outro é endocrinologista há 50 anos e, na rotina do consultório, teve contato com alguns milhares de pacientes das mais variadas personalidades, gênios e formas de encarar a vida. Tanto Luiz Cuschnir quanto Renato Di Dio transformaram suas vivências em livros, nos quais as mulheres são esmiuçadas, reviradas, reveladas, e, claro, homenageadas. ´Depois de ouvir tantas histórias diferentes, assistindo a lutas extremas e a entregas descabidas ao desespero, cheguei à conclusão de que não existe ser mais impressionante, complexo e fantástico do que a mulher´ , escreve o doutor Di Dio na introdução de seu Mulher: Animal Perfeito - A provável inutilidade da presença masculina no processo de reprodução humana. ´O livro é uma apologia à mulher´, garante o médico. O projeto do livro surgiu depois de uma conferência. Ele estava escalado para falar sobre exames para detecção do câncer, mas havia outros três palestrantes. ´Quando chegou a minha vez, já tinha sido dito tudo o que eu ia falar. Estava diante de uma platéia com 70% de mulheres e resolvi mudar de tema e falar sobre as vantagens de ser mulher´, lembra o médico. Vantagens? É... ele garante que a mulherada não tem do que se queixar. Desde que alfabetizaram as fêmeas, o mundo nunca mais foi o mesmo, nem será. Di Dio remete o leitor ao tempo das cavernas e vai mostrando, desde os primórdios, a evolução da condição feminina ao longo dos séculos. ´Veja uma mulher nua e um homem nu. O homem só vê um par de mamas, não sabe se ela tem clitóris, não é possível qualquer outra visualização. Quando ela olha o homem está tudo lá, ela pode apreciar o complexo todo. Se tiverem a finalidade de procriação, ele vai precisar ter uma ereção, quando tem o orgasmo, ejacula. A vantagem sexual da mulher é muito grande: ela tem o orgasmo, mas o homem não comprova´, avalia. Para Di Dio, a mulher é um animal perfeito não só pelo papel dominante que ela possui no ato sexual. ´Elas são melhores funcionárias que os homens, se desenvolvem com mais ligeireza e presteza. E vivem mais. Pode olhar o obituário: morre muito mais homem do que mulher!´, acredita. As mulheres resistem ao choque hormonal que vem com a menopausa, por volta de 45, 50 anos, quando o hormônio masculino suplanta o feminino. ´O homem vai ter esse choque aos 70, 75 anos, mas já estará mais desgastado. Automaticamente, ele morre. Elas vão ficar velhas, corcundas , enrugadas e abobadas, mas os homens já terão ido embora´, diverte-se Di Dio. Estudioso das questões de gênero, o psiquiatra e psicoterapeuta Luiz Cuschnir se debruça em seu novo livro, A mulher e seus segredos, sobre a árdua tarefa de desvendar o mapa da alma feminina. No prefácio, a apresentadora Adriane Galisteu avisa que é uma obra feita para mulheres que buscam o melhor de si, e para homens que valorizam essas mulheres. ´A Adriane tem essa representatividade, essa multiplicidade feminina, enfrenta todas as cobranças, incertezas, preconceitos, empatias´, avalia Cuschnir. Para ele, o equilíbrio da mulher com a sociedade só vai se resolver quando houver harmonia interna. ´Quando ela entra em contato com a essência feminina dela, encontra os planos, os centros de apoio, que se compõem tanto dos aspectos físicos, psicológicos e espirituais´, explica. A mulher, segundo o médico, tem de perceber que pode mudar, de ser outra se não estiver feliz com a mulher que é. Onde é que está escrito que existe um modelo a seguir e que deve se manter assim para sempre? ´Ela precisa se desprender dos mitos e crenças que há dentro dela para entrar com contato com a geometria da alma feminina´, esclarece. Geometria? Sim, o doutor Cuschnir traça um desenho do corpo feminino esquematizado na forma de triângulos sobrepostos, e examina o que cada uma dessas partes representa na alma da mulher. E ensina: é preciso integrar os vértices e vivenciar o que é essencial. Globo R$ 25