Comissão do Senado aprova venda de carro a diesel

Afra Balazina - O Estado de S.Paulo

No País, combustível ainda tem alto teor de enxofre; para ambientalista, medida ?seria andar na contramão?

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou, no início deste mês, a liberação da venda de carros de passeio a diesel no Brasil. O polêmico projeto de lei é do senador Gerson Camata (PMDB - ES). Na Europa, por exemplo, é comum carros pequenos abastecidos com diesel. Um dos problemas de ampliar o uso desse combustível no País, porém, é que ele possui alto teor de enxofre - poluente que pode provocar doenças. Enquanto na União Europeia o diesel tem 10 ppm (partes por milhão) de enxofre, o interior do Brasil tem combustível com 1.800 ppm. Para o senador, no entanto, o projeto acaba com uma desigualdade e é fruto de uma reivindicação antiga. "O rico pode comprar um carro a diesel importado por R$ 140 mil, que faz 12 km a 13 km por litro de combustível. Porque alguém da classe média não pode?", questiona. Ele conta que, no Uruguai, alugou um carro popular que fazia 26 km com um litro de diesel. "O aproveitamento energético é muito maior que o da gasolina. Depois, descobri que o carro que usei era fabricado no Brasil." Segundo Camata, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) poderia fazer uma portaria com a autorização. "Mas há muitos interesses, existe uma pressão do pessoal do álcool", diz o senador. No Senado, o projeto segue agora para avaliação da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). CRÍTICAS André Ferreira, do Instituto de Energia e Meio Ambiente, diz que dificilmente o projeto vai prosperar. Primeiro, porque há um gargalo na oferta do diesel no Brasil - uma parte do combustível utilizado no País já é importada. Além disso, existe um excedente de gasolina e, dessa maneira, acabaria sobrando ainda mais. Ferreira também diz que, em relação ao combate ao aquecimento global, o uso do diesel - um combustível fóssil - por carros de passeio "seria andar na contramão". A Anfavea, associação dos fabricantes de veículos, e a Petrobrás afirmaram, por meio de assessoria de imprensa, que não comentariam o projeto de lei. A ANP, procurada, não respondeu à reportagem. QUANTIDADE DE ENXOFRE NO DIESEL DO BRASIL Como era: Até 2008, o diesel das regiões metropolitanas tinha 500 ppm de enxofre e, nas demais áreas, 2.000 ppm O que deveria ocorrer: Uma norma do Conselho Nacional do Meio Ambiente exigia que o diesel tivesse 50 ppm de enxofre a partir de 2009 (na Europa, são 10 ppm) O que houve: A norma não foi cumprida. O diesel com 50 ppm será introduzido gradualmente nas regiões metropolitanas até 2011 (as frotas de ônibus paulistana e carioca foram as primeiras) E no interior: É usado diesel com 1.800 ppm. Só em 2014 será totalmente trocado pelo 500 ppm