Brasil tem 9º caso de gripe suína

- O Estado de S.Paulo

Paciente foi infectado nos EUA; americanos acima de 52 anos teriam proteção contra o vírus, diz estudo

O Ministério da Saúde confirmou ontem um novo caso de gripe suína no País, o que eleva para 9 o número de pessoas que tiveram a doença detectada no Brasil. Segundo a pasta, o paciente foi infectado nos Estados Unidos, de onde voltou na terça-feira. Com os sintomas da gripe, foi internado anteontem em São Paulo e segue no hospital com bom estado de saúde. Acompanhe a situação da doença no Brasil e no mundo Com isso, São Paulo sobe para 3 casos confirmados, assim como o Rio, com mais 3. Os outros casos são de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Minas. O governo enfatizou mais uma vez que não há evidência de transmissão sustentável do vírus A(H1N1) no Brasil - ou seja, não há surto ou epidemia da doença. Os outros oito pacientes receberam alta. Desses, apenas dois foram de transmissão autóctone (ocorrida dentro do País). "Para todos os casos estão sendo realizados busca ativa e monitoramento de todas as pessoas que estabeleceram contato próximo com pacientes", informou ainda a pasta. Há ainda 14 casos suspeitos. Nos EUA, os Centros de Controle de Doenças (CDC) divulgaram ontem que pessoas nascidas antes de 1957 aparentemente têm alguma imunidade contra o vírus que causa a gripe suína. Exames de sangue com pessoas acima de 52 anos mostraram que elas têm anticorpos que atacam o vírus, disse Daniel Jernigan, chefe da epidemiologia da gripe do CDC. Isso não quer dizer que todos acima de 52 estejam imunes, já que alguns americanos e mexicanos nesta faixa etária morreram com a gripe. Mas corrobora que a maioria dos hospitalizados com a gripe suína é de jovens, diferentemente do que ocorre com a gripe sazonal. Segundo Jernigan, 13% dos 247 internados com a gripe nos EUA têm mais de 50 anos. Numa gripe normal, mais de 90% dos internados são idosos. A teoria de Jernigan é de que, entre 1918 e 1957, todos os vírus da gripe do tipo A eram descendentes mais fracos da gripe espanhola. Em 1957, houve um surto do vírus H2N2, chamado de gripe asiática, que os substituíram. Em 1968, ele foi substituído pelo H3N2, chamado de "gripe de Hong Kong", que persistiu sazonalmente. Um H1N1 mais fraco surgiu em 1977, na China, onde foi isolado. Este H1N1, o H3N2 de 1968 e vírus do tipo B circulam em humanos desde então, e eles têm sido o alvo da vacina contra a gripe comum. A exposição prévia a ancestrais do atual vírus poderia explicar a suposta imunidade dos mais velhos, mas nada está comprovado. Entre anteontem e ontem, a Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou cerca de 11 mil casos em 41 países e mais 5 mortes, totalizando 85 óbitos. Ao mesmo tempo, o México, onde ocorreu o primeiro surto da doença, encerrou o alerta sanitário que vigorava desde o mês passado na capital. O alerta será suspenso paulatinamente no resto do país. COM AFP E AP