Brasil lança VSB, mas não acha carga

Ernesto Batista, Alcântara, Maranhão - O Estado de S.Paulo

Foguete partiu de Alcântara e fez vôo previsto com sucesso, porém equipe ainda procura compartimento com pesquisas

Depois de três adiamentos e quatro cancelamentos, exatamente às 12h13 de ontem o foguete brasileiro VSB-30 foi lançado com sucesso no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA). Mas até o final da tarde não havia sido recuperada a carga útil com os experimentos científicos. As buscas terminaram por volta das 17h30 e devem ser retomadas hoje. Caso a carga não seja recuperada, três experimentos poderão ser prejudicados: o de DNA, o de inverta-se em células e o de nanotecnologia. O objetivo principal da missão, no entanto, foi cumprido com o vôo do foguete. A operação de lançamento começou às 5 horas e, ao contrário das quatro tentativas anteriores, essa teve apenas uma parada da contagem regressiva. Com céu claro, o lançamento e a separação do primeiro para o segundo estágio do foguete puderam ser vistas das praias de São Luís (22 km de Alcântara). Os dois motores do foguete funcionaram por cerca de dois minutos. O apogeu - altura máxima, estimada em 280 km de altitude - foi atingido quatro minutos após a separação do segundo estágio. Imagens de uma das experiências, sobre difusão de ondas em gel - realizada em parceria pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Universidade de São Paulo e Universidade de Hohenheim (Alemanha) para desenvolver remédios contra epilepsia - foram transmitidas em tempo real ao CLA. Também foram transmitidas imagens da reentrada da cápsula, com os nove experimentos, na atmosfera. Grande parte dos dados das experiências foi transmitida por rádio. Mas é preciso ver o que aconteceu com as amostras embarcadas. Só o resgate concluirá plenamente as experiências. Uma das experiências cujo resultado pode ficar comprometido se a carga útil não for encontrada é o da Faculdade de Engenharia Industrial (FEI), de São Bernardo do Campo. "Os dados da telemetria que temos mostram que o equipamento usado para fazer a mistura funciona, mas não temos dados da reação, alvo da pesquisa", diz Alessandro Laneze, coordenador da experiência pela FEI. ?QUASE BINGO? Segundo o coronel Rogério Veríssimo, diretor do CLA, o vôo do foguete brasileiro foi "quase perfeito". "A trajetória real foi quase idêntica a que traçamos no planejamento. A queda da carga útil também ocorreu dentro da zona de impacto planejada. Foi quase um bingo", comentou o oficial, que fez a sua primeira operação de lançamento como diretor do CLA. Para realizar o lançamento do VSB-30 foi preciso fazer um ajuste no ângulo de lançamento. A plataforma de onde foi lançado o foguete foi inclinada em meio grau para poder entrar na zona de segurança. "Precisávamos filmar a separação para confirmar o funcionamento da separação dos estágios. Os adiamentos foram feitos para atender o quesito segurança", disse o tenente-coronel Olympio Achilles Faria de Melo. EXPERIMENTOS Biologia e Bioquímica: Mecanismos de reparação de DNA (UERJ e Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais); reação de difusão em gel (Anvisa, Ipen-USP e Universidade de Hohenheim, Alemanha); análise de invertase em células de Saccharomyces cerevisiae (Faculdade de Engenharia Industrial) Ciências Térmicas: Microtubos de calor; bomba capilar circunferencial (ambas da UFSC) Ciência de Materiais: Difusão térmica de nanopartículas (UFPE); ligas eutéticas (Inpe) Monitoramento: Sensor dinâmico de vôo (Institutos de Estudos Avançados e de Aeronáutica e Espaço); bloco acelerométrico (UEL)