Brasil ainda depende da importação de insumos

- O Estado de S.Paulo

83% das matérias-primas foram importadas em 2005

A dependência externa de matéria-prima para a fabricação de medicamentos ainda é grande no Brasil. Estudo do IBGE mostra que o País importou 8,8% dos medicamentos e 83,2% dos insumos usados na produção de remédios em 2005. Os gastos corresponderam, respectivamente, a R$ 4,03 bilhões e R$ 3,06 bilhões. A pesquisa aponta, porém, tendência de redução da participação da saúde no total das importações a partir de 2002. Em 2000, 8,2% da oferta de medicamentos era de produtos importados, participação que cresceu até 2002, quando chegou a 11,8%. Quanto aos insumos, 72,7% eram importados em 2000, porcentual que chegou a 93,9% em 2003. O vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Carlos Gadelha, diz que "políticas irresponsáveis praticamente destruíram" a indústria farmoquímica nacional na década de 90. "Houve abertura comercial abrupta, sem nenhum estímulo ao desenvolvimento tecnológico interno", disse. Para ele, a dependência externa é um risco para o sistema de saúde, que fica vulnerável. "Se a taxa de câmbio valoriza, você tem uma pancada." O total das importações de bens e serviços relacionados à saúde chegou a R$ 9,98 bilhões em 2005, equivalente a 5% da oferta total desses bens e serviços no País, e a 4% das importações. Apesar de as exportações no setor terem mais do que dobrado desde 2000 (de R$ 704 milhões para R$ 1,9 bilhão - ou 0,6% do total das exportações do País em 2005), o valor não chega a um quinto do gasto em importações. Segundo Gadelha, as importações do setor somavam R$ 1,6 bilhão nos anos 80. O IBGE mostra que subiram para R$ 4,6 bi em 2000 e chegaram a R$ 10,8 bilhões em 2004. "Produzimos os insumos básicos e não os ligados à inovação. Isso nos dá pouca autonomia e dificulta o acesso universal à saúde", disse Angélica Borges dos Santos, da Fiocruz, uma das coordenadoras do estudo. O diretor de Economia da Saúde e Desenvolvimento do Ministério da Saúde, Elias Jorge, disse que o governo tem uma política de ampliação da produção nacional que trará resultados a médio prazo.