Argentina registra 400 mil casos e 270 mortes

ARIEL PALÁCIOS - O Estado de S.Paulo

A Argentina, país de 36 milhões de habitantes, já conta com quase 400 mil pessoas contagiadas pela gripe suína. Os números são de informações fornecidas pelas secretarias de Saúde das províncias e da capital, cujos dados são considerados por especialistas como mais confiáveis do que os do governo federal. A estatística indica uma disparada nos casos de contágios ao longo do último mês. No dia 2 de julho, o ministro da Saúde, Juan Manzur, afirmou que a estimativa era de 100 mil a 110 mil pessoas contaminadas desde o dia 7 de maio, quando foi registrado o primeiro caso. No entanto, nas semanas seguintes, foram notificados outros 280 mil registros. De acordo com dados dos governos provinciais, o país acumulou até ontem 270 mortes provocadas pela gripe suína. Há ainda 200 casos de mortes suspeitos. Caso sejam confirmados, o país teria pelo menos 470 vítimas da doença, número que o colocaria na liderança do ranking mundial de mortes provocadas pelo vírus. Atualmente, a Argentina está em segundo lugar, atrás dos EUA. Mesmo assim, em quase todas as províncias argentinas as férias escolares, que já foram prorrogadas por três semanas justamente para tentar evitar o aumento do contágio, terminam hoje. Só cinco províncias haviam retornado às aulas na semana passada.