54 hospitais podem atender casos da nova gripe

Fabiane Leite e Alexandre Gonçalves - O Estado de S.Paulo

Governo diz ter remédio para tratar 12,5 mil pessoas; entidades apresentam guia de diagnóstico

O Brasil dispõe de 54 hospitais de referência para atender eventuais novos casos de gripe suína. Esses locais podem ser consultados no site do Ministério da Saúde (www.saude.gov.br). Há ainda medicamentos prontos para tratar 12,5 mil pessoas e 9 milhões de doses em pó para futura fabricação. Além disso, a partir de hoje, a Associação Médica Brasileira e a Sociedade Brasileira de Infectologia divulgarão um guia de diagnóstico e tratamento da doença para médicos. No entanto, segundo especialistas, a vigilância epidemiológica deve ficar em alerta, agora, para eventuais sinais de transmissão do vírus dentro do País. Conforme o gerente da Área de Vigilância em Saúde e Gestão de Doenças da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Jarbas Barbosa, os principais sinais disso são registros de conglomerados de pessoas com sintomas da doença e que não saíram do Brasil. As autoridades devem atentar principalmente para situações assim entre jovens, faixa etária mais atingida pela nova doença. "A grande prova de fogo será daqui para a frente", afirma Juvêncio Furtado, presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia. Ele considera que o País, até agora, adotou as medidas adequadas para controle da doença. "Seguimos as diretrizes internacionais sobre o tema. Se houver transmissão no próprio País, veremos a capacidade das autoridades. Os médicos precisam ficar atentos para identificar rapidamente qualquer caso suspeito." André Lomar, infectologista do Hospital Albert Einstein, recorda que é a primeira vez que a humanidade enfrenta a influenza com um plano de ação para evitar uma pandemia. "Ainda não sabemos o quanto vai dar certo", aponta . Indefinição Além disso, até ontem estava indefinido como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vai rastrear os passageiros que estavam nos voos em que viajaram os quatro brasileiros que tiveram o diagnóstico de gripe suína confirmado. Há cerca de duas semanas, a agência vinha armazenando declarações de bagagens, em que constam dados dos passageiros, para poder localizá-los em caso de confirmação de casos no País. No entanto, segundo informou o ministério ontem, ainda é preciso saber qual será o critério da busca - se, por exemplo, todos os passageiros deverão ser contatados ou se apenas aqueles que estavam próximos dos brasileiros que adoeceram. As normas sobre buscas de passageiros que estiveram em voos com pessoas doentes ainda estão sendo discutidas pela Organização Mundial da Saúde, diz Barbosa, da Opas. Por enquanto, cabe a cada país estabelecer suas próprias regras.