Taylor Swift ganha processo contra DJ que a abusou sexualmente

Redação - O Estado de S. Paulo

Cantora anunciou que fará doações a instituições que ajudam vítimas de assédio

Taylor Swift acusou David Mueller de assédio sexual em 2013

Taylor Swift acusou David Mueller de assédio sexual em 2013 Foto: Danny Moloshok/Reuters

O processo judicial entre a cantora Taylor Swift e o DJ David Mueller teve um veredicto nesta segunda-feira, 14. Taylor ganhou o caso em que acusava o radialista de tê-la assediado sexualmente. Depois de dias de discussão, o júri decidiu que Mueller realmente abusou de Swift durante um meet-and-greet em 2013.

No processo, a artista pediu uma indenização simbólica de 1 dólar e declarou que ajudará instituições que prestam auxílio a vítimas de agressão sexual.

“Minha esperança é ajudar quem também deve ter as vozes ouvidas. Portanto, vou fazer doações em um futuro próximo para várias organizações que lutam pelas mulheres em casos como esses”, declarou a cantora em comunicado à imprensa.

Mueller e Taylor estão há anos brigando na Justiça. Em 2015, o DJ entrou com uma ação pedindo um valor de US$ 3 milhões por danos e prejuízos. Ele havia perdido o emprego na rádio norte-americana KYGO após o caso de assédio se tornar público. O juiz decidiu, no fim da semana passada, que Taylor era inocente da acusação, pois não haviam provas suficientes para afirmar que a demissão de Mueller havia sido causada pela cantora.

Ainda em comunicado, a cantora afirmou ter a certeza de que se fez justiça com a nova decisão. “Não foi um acidente, foi totalmente intencional. Nunca estive tão segura de nada na minha vida”, declarou.

"Isso mostra que ‘não’ significa ‘não’, e diz a cada mulher que elas são quem determinam o que é tolerável ao seu corpo", acrescentou Taylor.