Taylor Swift é inocentada em caso de demissão de DJ que a teria assediado

Redação - O Estado de S.Paulo

David Mueller processou a cantora após perder o emprego em uma estação de rádio quando ela o acusou de assédio

Juiz ainda manteve a acusação de Taylor contra o DJ por assédio. 

Juiz ainda manteve a acusação de Taylor contra o DJ por assédio.  Foto: REUTERS/Mario Anzuoni/File Photo

Taylor Swift saiu vitoriosa no julgamento iniciado pelo DJ David Mueller, que culpou a cantora por ter perdido o emprego na rádio onde trabalhava, a KYGO FM. Ele pedia US$ 3 milhões (aproximadamente R$ 9,5 milhões) de indenização.

Taylor o acusou de tê-la assediado em 2013 após um show. Mueller processou Swift em setembro de 2015 e, nesta sexta-feira, 11, a cantora foi considerada inocente pelo juiz William Martinez. Ele alega que não há provas de que Taylor pressionou a rádio a demitir o profissional.

O DJ ainda pedia ressarcimento pela perda de ganhos futuros com o salário na rádio. "Só se pede indenização por perda de lucros quando é possível comprová-la com nível razoável de certeza", teria dito o juiz, de acordom a revista People.

Martinez ainda manteve a acusação de Swift de que o DJ a teria apalpado. Também de acordo com a People, é esperado que o júri se pronuncie na segunda-feira, 14, sobre a acusação.

/Com informações da agência Reuters.

Esboço feito pelo artista do tribunal mostra Taylor Swift e seus advogados no Tribunal Federal de Denver em 8 de agosto de 2017.

Esboço feito pelo artista do tribunal mostra Taylor Swift e seus advogados no Tribunal Federal de Denver em 8 de agosto de 2017. Foto: REUTERS/Jeff Kandyba/File

VEJA TAMBÉM: personalidades que já se envolveram em casos de assédio ou abuso sexual