'Nos deixou mais próximos', diz casal Obama sobre oito anos na Casa Branca

- O Estado de S.Paulo

Em entrevista, presidente dos Estados Unidos afirmou que admiração pela esposa aumentou ao vê-la como primeira-dama

Michelle e Barack Obama estão casados há 24 anos

Michelle e Barack Obama estão casados há 24 anos Foto: Saul Loeb/AFP

A seis semanas de deixar a Casa Branca, o casal Michelle e Barack Obama concedeu uma entrevista exclusiva à revista People, na qual comentam como os últimos oito anos na presidência os influenciou como casal. “Isso definitivamente nos deixou mais próximos”, disse a primeira-dama.

Segundo Obama, Michelle se adaptou a um estilo de vida que poderia não ter escolhido para si, no qual ela se saiu muito bem. “Eu acho que ver Michelle como primeira-dama aumentou minha admiração e meu respeito por ela. É divertido quando você vê sua esposa brilhar. E ela brilhou", explica.

A advogada comentou, ainda, que o marido viajava muito quando era senador, o que o mantinha sempre muito longe dela e dos filhos. Enquanto a família residia em Chicago, ele frequentemente precisava comparecer a compromissos em Washington. “Antes da Casa Branca, não acontecia de nós ficarmos juntos em sete dias de uma mesma semana, que pudéssemos jantar juntos, ele tinha tempo para treinar o time das garotas e ir a todos os eventos”, relata.

Michelle admitiu, contudo, que o cargo exige muito do marido. “Ninguém sabe como é acordar e ler o jornal da manhã sabendo que todas as notícias, boas e ruins, são sua responsabilidade. Tudo o que acontece no mundo", afirma.

Na entrevista, Obama também comentou o impacto da eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos. De acordo com ele, a vitória do magnata não anula os avanços que os país teve nos anos anteriores. "Quando fui eleito, continuou existindo racismo, misoginia e homofobia nos Estados Unidos. Nessa eleição, esses mesmos elementos ainda estavam lá, mas não anulam todo o progresso que foi feito. Os Estados Unidos é um grande e complicado país e a história não anda em uma linha reta, tem zigue-zagues, anda para trás e para frente", argumenta.

O presidente afirmou que a batalha por mais cortesia, tolerância e igualdade vai continuar e que todos são responsáveis por defendê-la cotidianamente. Além disso, demonstrou otimismo nas próximas gerações com base no que observa nas próprias filhas, Malia, de 18 anos, e Sasha, de 15. "Para elas, discriminar alguém pela orientação sexual é algo louco", exemplifica. 

Casados há 24 anos, Michelle e Barack Obama se conheceram em Chicago, quando o hoje presidente tinha acabado de ingressar na universidade de Harvard. A história desse encontro é retratado no filme Michelle e Obama, que estreou na quinta-feira, 8, nos cinemas brasileiros. Assista o trailer: