Mulheres que vivem nos centros urbanos envelhecem mais rápido

Anna Paula Buchalla - O Estado de S.Paulo

O ar poluído provoca envelhecimento da pele 10% mais acelerado em relação a mulheres que vivem no campo, revela pesquisa

Não faz muito tempo, a poluição foi alçada à condição de uma das principais vilãs do envelhecimento, ao lado do sol e do cigarro. Provoca de rugas a perda de textura e elasticidade da pele. Segundo a Skin Cancer Foundation, entidade americana de combate ao câncer de pele, 90% do envelhecimento cutâneo precoce é causado pela combinação da poluição e raios solares.

Poluição provoca inflamação das células, destrói o colágeno e acelera a formação de rugas e linhas finas

Poluição provoca inflamação das células, destrói o colágeno e acelera a formação de rugas e linhas finas Foto: Zuerichs Strassen/Creative Commons

Uma nova pesquisa vem corroborar essa tese ao mostrar que mulheres que vivem nas cidades do campo e do interior parecem mais jovens por mais tempo. Já as que moram nos grandes centros urbanos envelhecem 10% mais rápido do que suas equivalentes do mundo rural. O estudo feito com 200 mulheres entre 30 e 45 anos, encomendado pela Procter & Gamble, comparou a qualidade da pele delas, dependendo de onde moravam. Segundo a gigante americana de cosméticos, o ar poluído contém nada menos do que 224 substâncias químicas capazes de danificar a pele. Essas partículas, entre outros males, destroem a queratina, que evita o ressecamento a nível celular.

Os dois grupos de mulheres, do campo e das grandes cidades, tinham estilos de vida similares, embora as do campo fossem mais expostas à radiação ultravioleta. Ainda assim, o dano geral à pele foi maior entre as urbanas. Segundo o pesquisador Wei Liu, dermatologista do China Air Force General Hospital, em Pequim, e autor do estudo, a poluição provoca inflamação das células, corrompe a barreira de proteção natural da pele, destrói o colágeno, a fibra de sustentação da derme, e acelera a formação de rugas e linhas finas. Envelhece, enfim.

Não é difícil medir os efeitos da poluição na pele: basta olhar como fica o algodão branco de limpeza depois de passá-lo sobre a pele ao fim do dia. Invariavelmente, e por mais que se limpe o rosto com frequência e da forma correta (lavando, tonificando e hidratando), ele estará com uma cor assustadora, entre cinza e amarronzado.

Fumaças de fábricas e veículos, cigarro e o ozônio presentes na estratosfera são apenas alguns exemplos dos poluentes que abundam nas grandes cidades. Os dermatologistas acreditavam, no passado, que as partículas de poluição, de tão grandes, seriam incapazes de furar a barreira de proteção da pele. Estavam enganados. Hoje já se sabe que partículas menores que um grão de areia carregam uma variedade enorme de toxinas e, sim, penetram a pele.

Recentemente, a indústria cosmética passou a investir em produtos formulados especificamente para proteger a pele da poluição – são os famosos detox cutâneos, muitos deles indicados para o uso noturno, durante o sono. Em geral, eles são ricos em vitaminas C, E e ácido ferúlico, que previnem a ação dos radicais livres. A SkinCeuticals, do grupo L’Oréal, até lançou a campanha Proteção contra a Poluição no Combate ao Envelhecimento Precoce para esclarecer os efeitos do ar poluído na pele e orientar sobre como se proteger. Bem, se não é o caso de mudar da cidade para o campo, a boa notícia é que, ao menos com os cuidados certos, ainda há tempo para recuperar aqueles 10% dos anos perdidos.