'Imaginei o FBI  e a CIA atrás de mim', diz Fergie sobre dependência química

Redação - O Estado de S.Paulo

Cantora foi viciada em metanfetamina antes de se tornar integrante do 'Black Eyed Peas'

A cantora americana Fergie. 

A cantora americana Fergie.  Foto: Nacho Doce/Reuters

A cantora americana Fergie confessou ter delirado e imaginado perseguições enquanto era viciada em drogas. Antes de se tornar integrante do Black Eyes Peas, ela era usuária de  metanfetamina e revela que teve efeitos psicóticos e até demência.

“Quando cheguei no fundo do poço, tinha alucinações diárias”, disse ao portal iNews. Em uma das vezes, pensou que CIA, FBI e SWAT (Departamento de Polícia de Los Angeles) a estavam perseguindo. Ela entrou em uma igreja, mas quase foi expulsa. “Tentaram me expulsar porque eu ficava correndo entre os bancos, achando que havia uma câmara infravermelha atrás de mim”, relatou.

“Nesse momento pensei que se tudo fosse efeito da droga, eu acabaria em uma clínica de reabilitação. E não queria viver a minha vida como ela estava, de jeito nenhum. Eu sai da igreja e, claro, não havia nenhum SWAT, era apenas eu em um estacionamento. Foi um momento libertador”, contou.

Para Fergie, a droga trazia muita diversão, mas isso mudou. “Agradeço o dia em que vivi isso, porque encontrei minha força e minha fé, e fui atrás de algo melhor”. "Eu acho que tenho mesmo meu anjo da guarda".

VEJA TAMBÉM: Os artistas que superaram o vício em drogas e álcool