Donald Trump passou 1/5 do tempo na presidência em campos de golfe

Redação - O Estado de S.Paulo

Segundo levantamento feito por emissora americana, dos 165 dias no cargo, ele passou 36 em propriedades para o esporte

O clube de golfe Mar-a-Lago, na Flórida, é o destino preferido de Donald Trump quando ele decide jogar golfe.

O clube de golfe Mar-a-Lago, na Flórida, é o destino preferido de Donald Trump quando ele decide jogar golfe. Foto: Doug Mills / The New York Times

Com aprovação baixa nos Estados Unidos e, entre outros fatores, em meio a uma impopular reforma do sistema de saúde pública, Donald Trump passou 1/5 dos dias como presidente dos Estados Unidos em campos de golfe.

Os números foram obtidos em levantamento feito pela emissora americana NBC, que disponibiliza uma contagem dos dias do presidente em cada local. Dos 165 dias no cargo, a Casa Branca reporta que em 36 Trump estava em alguma de suas propriedades de golfe, o que representa 21% do total. Apesar de especificamente a prática do esporte não estar na agenda oficial, fotos divulgadas pela imprensa e nas redes sociais confirmam o momento de lazer.

O número já é bem maior do que os últimos três presidentes do país juntos no mesmo período em seus mandatos, o que contrariou uma promessa de campanha feita por Trump em 2016. Diversas vezes, ele prometeu que não tiraria férias durante seu mandato e criticou duramente o então presidente Barack Obama por tirar dias de folga para jogar golfe. “Dá pra acreditar que, com todos os problemas e desafios nos Estados Unidos, o presidente Barack Obama passou o dia jogando golfe? Pior do que [Jimmy] Carter”, tuítou Trump uma vez em 2014.

Trump passa a maior parte do seu tempo livre no clube de golfe Mar-a-Lago, no sul da Flórida, que é de propriedade do presidente. Toda movimentação dele siginifica gastos de dinheiro público, mas não é possível precisar a quantia exata despendida nas viagens. Além, claro, do conflito ético entre o presidente usar dinheiro público para bancar estadias em suas propriedades privadas. Em outubro de 2016, uma viagem de folga feita por Obama a Chicago custou cerca de 3,6 milhões de dólares aos cofres públicos norte-americanos.