Carla Perez fala após ser multada no carnaval de Salvador: 'humilhação'

- O Estado de S.Paulo

Bloco comandado pela ex-dançarina do É o Tchan foi penalizado duas vezes por ultrapassar o limite de decibéis previsto em lei

Carla Perez comandou o bloco infantil Algodão Doce em Salvador

Carla Perez comandou o bloco infantil Algodão Doce em Salvador Foto: Alfredo Filho/ Secom PMS

Carla Perez usou o Instagram nesta quarta-feira, 1, para falar sobre as duas multas que recebeu da Secretaria Municipal de Ordem Pública de Salvador. O bloco Algodão Doce comandado pela ex-dançarina do É o Tchan foi autuado no sábado, 25, e no domingo, 26, por ultrapassar o limite de decibéis permitido por lei.

"Noticiaram que eu queria o som do trio elétrico muito alto e isso é mentira! O que eu simplesmente quero é um som justo! Essa não foi a primeira vez que sofro tal humilhação, e não vou admitir tal desrespeito! Milhares de pessoas são testemunhas do ocorrido", escreveu Carla Perez na rede social.

Veja a íntegra do desabafo:

 

A motivação maior é levar a alegria para as crianças e famílias que nos acompanham. Tudo feito com carinho, dedicação e minuciosamente cuidado para que tudo dê certo. São muitas pessoas envolvidas, desde a hora que a gente pensa no tema até a hora que o motorista liga o trio e a gente começa a festa. São 17 anos nessa rotina e tudo com a finalidade de fazer o melhor para gerações que gostam do meu trabalho, mas principalmente as crianças, que a cada ano vão ficando com menos opções para se divertirem dentro do carnaval. Estou feliz por nosso bloco ter saído e no geral o propósito maior ter sido alcançado. Aos nossos foliões de todas as idades (crianças, pais, avós, tios), muito obrigada e meu profundo respeito. Mas não posso fingir que estou 100% satisfeita com tudo! Ainda não tinha postado nada do nosso bloco até hoje, porque como eu disse lá em cima, a maior motivação é levar a alegria. Colocar um bloco infantil na rua, é suado gente! Trabalhoso em todos os aspectos!! Infelizmente nos últimos anos tenho me aborrecido sempre no circuito, com essa questão da fiscalização querer que o som do trio fique igual a um rádio de pilha! É óbvio que eu quero que tudo esteja dentro das normas. Mas como ficam milhares de pessoas dizendo e fazendo gestos de que o som tá ruim, que não estão ouvindo e fazendo coro de "aumenta o som"? Todo ano isso estraga parte de um trabalho de meses, que é feito para levar alegria e não frustração para a Avenida!!! É lógico que não quero e nem sou irresponsável a ponto de colocar a saúde auditiva das crianças em risco, como até alguns veículos de imprensa, precipitadamente e equivocadamente noticiaram, dando ênfase justamente a um acontecimento ruim e ofuscando toda parte boa que vivemos com os nossos foliões mirins, que mereciam mais holofotes do que o assunto em si. Noticiaram que eu queria o som do trio elétrico muuuito alto e isso é #MENTIRA! O que eu simplesmente quero é um som justo! Essa não foi a primeira vez que sofro tal humilhação, e não vou admitir tal desrespeito e mentira! Milhares de pessoas são testemunhas do ocorrido. Continua... #VamosGarantirAAlegriaDasCrianças

Uma publicação compartilhada por CARLA PEREZ (@carlaperezcpx) em

 

 

Continua: Temos vários questionamentos sobre essas medições dos decibéis?! Eles medem colados no trio! Como é isso?!! Ok, nosso bloco é infantil, mas essa norma só vale para o nosso bloco?! Pq apesar de os blocos de adultos serem para adultos, o que não faltam são registros de crianças nos ombros de seus pais, na pipoca e até mesmo dentro de bloco, alí do lado do trio, ironicamente onde eles sempre medem o nosso bloco! Não tá vendo que tá rolando uma injustiça aí?!! Assim que possível marcarei uma reunião com o prefeito @acmnetooficial e se preciso com o governador @ruicostasantos também, para saber como eu devo proceder! Se é para continuarmos fazendo o Carnaval para as crianças ou não! Pq é uma luta danada, pagamos todas as taxas exigidas pelos órgãos, quase não temos patrocínio... e o #AlgodãoDoce não é um bloco grande e de abadás caros! O que vende é praticamente pra bancar o custo do bloco e eu não quero mais passar por isso!!! Conversarei com eles e os mesmos decidem o que devemos fazer!!! Gostaria que respeitassem nossas crianças e suas famílias. Gostaria muito que eles tivessem o momento especial deles. Para a festa ser a melhor do planeta, muita coisa tem que mudar!!! Eu sou filha de Salvador, há 39 anos no carnaval, desde que nasci e desses, 22 trabalhando nele. 17° com o nosso @blocoalgodaodoce, espero não ter que desistir!!! Mais uma vez, obrigada a todos que são fiéis e que nos levam alegria tantos anos! Peço perdão pelo texto grande, mas o que tô sentindo no coração eu precisava botar pra fora!!! Aqui deixo meus agradecimentos e desabafo! Se Deus permitir e nos deixarem, até 2018. #VamosGarantirAAlegriaDasCrianças

Uma publicação compartilhada por CARLA PEREZ (@carlaperezcpx) em

Segundo a Secretaria Municipal de Ordem Pública de Salvador, no sábado o bloco estava emitindo 97 decibéis de som, acima do limite de 80 permitidos para agremiações infantis. A nota da secretaria informa que a equipe de fiscalização entrou em contato com os responsáveis pelo bloco, que se recusaram a baixar o volume do som. “Inclusive, a própria Carla Perez avisou que o trio podia ser multado, mas que o som não seria baixado. Esse volume é determinado por conta da segurança auditiva das crianças”, disse o titular da secretaria, Marcus Passos.

No domingo, o bloco que desfilou no circuito Osmar (Campo Grande) estava emitindo  109 decibéis. A multa varia de R$814,62 a R$135,6 mil, de acordo com a quantidade de decibéis e no caso do Algodão Doce o valor foi dobrado devido a reincidência.

A Secretaria Municipal de Ordem Pública de Salvador informou que seis trios foram autuados nesse carnaval por som alto. Conforme prevê decreto municipal, a quantidade de decibéis emitidos pelos trios é medida a partir de uma distância de cinco metros do veículo e a uma altura de um metro e meio do chão, com o uso de decibelímetros calibrados e certificados.