Atriz da Globo que cresceu na Rocinha faz desabafo sobre situação no Rio

Redação - O Estado de S.Paulo

'Ascender socialmente sozinha tem alguma valia?', questionou Jéssica Ellen, criada na comunidade

A atriz Jéssica Ellen

A atriz Jéssica Ellen Foto: Instagram / @ellen.jessica

A atriz Jéssica Ellen, que atualmente está no elenco de Filhos da Pátria, da Globo, e é conhecida por sua atuação na minissérie Justiça, usou suas redes sociais para falar sobre a situação tensa vivida no Rio de Janeiro, e, em especial, a Rocinha, onde foi criada.

Jéssica afirmou que as pessoas precisam ser mais empáticas, e disse acreditar que o momento no Rio mostra como elas podem se afetar entre si: "Sou da favela da Rocinha, sou cria do morro! Vivi momentos difíceis... Muitas vezes não tinha água para tomar banho, faltava luz, quando rolava tiroteio, a brincadeira dentro de casa era adivinhar de qual arma tinha saído o disparo. E acreditem: infelizmente, a gente sabia". "Tive lindos momentos de uma infância livre, feliz, brincando descalça, subindo em árvores. É isso que desejo para os moradores das favelas cariocas: a alegria e tranquilidade novamente".

"Vendo aqui da minha janela, a cidade está calma, funcionando normalmente. Mas meu coração está aflito. Toda a minha família mora na Rocinha ainda. Ascender socialmente sozinha tem alguma valia?", ponderou, ressaltando a boa situação financeira que sua carreira profissional lhe permitiu ter.

Por fim, a atriz propôs um questionamento aos seus seguidores: "Qual a nossa responsabilidade diante do caos em que se encontra a cidade? De que forma podemos ajudar? O mundo está precisando de amor e afeto".

 

Precisamos ser mais empáticos! O que acontece hoje na cidade do Rio de Janeiro demonstra o quanto somos afetados uns pelos outros. É importante nos informar, saber do que está acontecendo, e o exercício que eu proponho é que, mesmo diante do caos, a gente tente acalmar nossas mentes e corações. Meditando, rezando, conversando com suas crianças dentro de casa. Sou da favela da Rocinha, sou cria do morro! Vivi momentos difíceis... Muitas vezes não tinha água pra tomar banho, faltava luz, quando rolava tiroteio, a brincadeira dentro de casa era adivinhar de qual arma tinha saído o disparo... E acreditem: infelizmente a gente sabia (Que merda né ? Nenhuma criança deveria saber). Mas também tive lindos momentos de uma infância livre, feliz, brincando descalça, subindo em árvores. E é isso que desejo para os moradores das favelas cariocas: a alegria e tranquilidade novamente. Na infância eu não tinha muito brinquedo porque quem mora na favela geralmente não tem muito dinheiro. Mas a minha imaginação, a dos meus irmãos e primos nos tornava livres para inventar o que bem quiséssemos! Hoje, aos 25 anos, eu não moro mais lá. Moro no Humaitá, zona sul do Rio de Janeiro. E vendo aqui da minha janela, a cidade está calma... funcionando normalmente... Mas meu coração está aflito... toda a minha família mora na Rocinha ainda. Ascender socialmente sozinha tem alguma valia? Como diz a música dos Racionais Mcs: "o dinheiro tira o homem da miséria, mas não pode arrancar de dentro dele a favela. São poucos que entram em campo pra vencer. A alma guarda o que a mente tenta esquecer". Diante desse verso me pergunto:  Qual a nossa responsabilidade diante do caos em que se encontra a cidade? De que forma podemos ajudar?  Te convido a fazer o mesmo!  O mundo está precisando de amor e afeto! Meu coração é favela e amor. Aos moradores da Rocinha e Santa Marta, todo o meu carinho! Vocês estão em minhas preces e orações! Que Oxalá nos proteja! Asé

Uma publicação compartilhada por Jéssica Ellen (@ellen.jessica) em