Após não receber lance, mansão de Clodovil vai a leilão novamente

Redação - O Estado de S.Paulo

Local em que apresentador vivia em Ubatuba recebe propostas a partir de R$ 900 mil

Clodovil em julho de 2008, no ano anterior à sua morte, tomando café na Câmara dos Deputados, em Brasília.

Clodovil em julho de 2008, no ano anterior à sua morte, tomando café na Câmara dos Deputados, em Brasília. Foto: Dida Sampaio / Estadão

A mansão de Clodovil Hernandes em Ubatuba, no litoral paulista, irá novamente a leilão judicial, após não ter recebido nenhum lance na primeira vez.

Quem estiver interessado em adquirir a casa em que o apresentador passou os últimos anos de sua vida precisará desembolsar R$ 900 mil à vista, com depósito feito em juízo. O valor do local seria originalmente avaliado em R$ 1,6 milhões. 

Com mais de 20 cômodos, a mansão fica situada em um terreno de 3 mil metros quadrados, possuindo piscina, sauna, capela e um lago, construídos em uma área preservada em meio à Mata Atlântica, próxima à Praia do Léo. O imóvel, porém, já apresenta sinais de abandono.

Confira mais detalhes sobre o leilão clicando aqui.

Não é a primeira vez que bens de Clodovil vão a leilão após sua morte. Em 2012, joias, móveis e obras de arte do estilista foram leiloados, incluindo uma gravata borboleta de ouro branco cravejada com mais de mil brilhantes, vendida por R$ 46 mil. Na ocasião, um único fã levou 19 lotes de peças.

Clodovil morreu em 17 de março de 2009, aos 71 anos, vítima de um AVC. À época, exercia mandato como deputado federal pelo PR-SP.