Num asilo nos EUA, cuidar de gatinhos faz parte do tratamento

- O Estado de S.Paulo

Cuidar dos animais fez com que muitos pacientes com Alzheimer lembrassem de animais de estimação que tiveram na infância

Gatinhos fazem a alegria de idosos em asilo.

Gatinhos fazem a alegria de idosos em asilo. Foto: Reprodução/Facebook

O Catalina Springs Memory Care, um asilo nos Estados Unidos, está com novos hóspedes: gatinhos. Isso porque o local fez uma pareceria com o Pima Animal Care Center, um abrigo de animais do Arizona.

Alguns idosos do asilo salvaram a vida de dois gatinhos, que foram chamados de Peaches e Turtle, ao alimentá-los e cuidar deles e fazer com que eles passassem de 200g para 400g em algumas semanas.  O abrigo, por não ter condições de cuidar de tantos gatinhos, fizeram a parceria com o asilo.

Os 30 pacientes com perda de memória do asilo ficaram muito felizes com a chegada dos gatos. "Para alguns, pode até parecer estranho no começo, pacientes que precisam de cuidados diários reservam um tempo para cuidar dos gatinhos”, disse Sharon Mercer, o diretor executivo do asilo, à revista Cosmopolitan americana. “Existem habilidades, sentimentos e necessidades que não são esquecidas por pessoas com Alzheimer. O desejo de dar amor e receber amor permanece. Os felinos nos deram a oportunidade de nutrir esta condição humana que faz parte de cada um dos nossos pacientes”, completou.

"As pessoas começam a falar de memórias antigas de gatos e cachorros que tiveram na infância", disse Rebecca Hamilton, diretora de saúde do asilo, ao ABC News. Ficou todo mundo feliz!