Nigeriano afirma ter sido submetido a prova escrita para entrar nos EUA

- O Estado de S.Paulo

Apesar de ter visto de trabalho, engenheiro de software supostamente teve que 'provar' seus conhecimentos

Manifestantes no dia 28/01/2017 contra decisão de Trump de barrar imigrantes

Manifestantes no dia 28/01/2017 contra decisão de Trump de barrar imigrantes Foto: Genna Martin/AP

O engenheiro de software Celestine Omin afirma ter sido submetido a um teste escrito ao passar pela imigração no aeroporto JFK, em Nova York. Omin é nigeriano e foi aos Estados Unidos com um visto temporário de trabalho pela empresa Andela, que conecta desenvolvedores do continente africano com empregadores nos Estados Unidos. A empresa é bastante reconhecida, tanto que Mark Zuckerberg, fundador e CEO do Facebook, visitou o escritório em Lagos no ano passado.

Omin afirma ter sido levado a uma sala separada após ser questionado por um oficial da fronteira. No Twitter, o engenheiro relata que precisou 'balancear uma árvore binária' (conceito da área) em uma folha A4. Além disso, ele ainda teria sido obrigado a responder pelo menos mais dez perguntas. "Se eu não dava a resposta que estava na Wikipédia, era considerada errada", afirma. No fim das contas, ele foi liberado, mas o oficial da fronteira disse que não estava muito convencido.

A BBC afirma que o departamento de Alfândega e Proteção de Fronteiras americano não deu nenhuma resposta sobre o ocorrido.

Veja o post original de Omin (em inglês):