Mulher é retirada de avião após comissária ouvir que ela tinha cólicas menstruais

Redação - O Estado de S.Paulo

Professora de 24 anos reclamava de dores no estômago com o namorado; comissária ouviu e a mandou deixar a aeronave

Comissária ouviu conversa e obrigou passageiros a deixarem o voo. 

Comissária ouviu conversa e obrigou passageiros a deixarem o voo.  Foto: Pixabay

Uma professora e o seu namorado foram obrigados a sair um voo da Emirates pelo qual pagaram 400 libras (R$ 1.800) após a comissária ter ouvido a conversa dos dois, na qual a mulher reclamava por estar sentindo cólicas menstruais. 

Beth Evans, de 24 anos, e Josh Moran, de 26, partiam de Birmingham, na Inglaterra, com destino a Dubai, e minutos antes de a aeronave decolar, conversavam sobre as cólicas de Beth. 

Uma comissária de voo ouviu o relato e começou a questionar a moça, dizendo que ela precisava de assistência médica antes de viajar por sete horas. No entanto, como um médico não estava disponível no momento, eles foram forçados a tirar os seus cintos e deixar a aeronave minutos antes da decolagem. 

O casal teve que arcar com os custos das novas passagens e remarcar o voo. 

Um barbeiro que estava no avião, identificado como Sr. Moran, disse ao jornal inglês The Sun que a situação foi uma "loucura". "Beth estava chorando e ficou muito chateada quando a comissária começou a lhe fazer aquelas perguntas", falou. 

As companhias áereas têm o direito de se recusar a viajar com passageiros que apresentem estado de saúde que podem piorar no decorrer do voo e não são obrigadas a ressarcir o passageiro se ele for retirado da aeronave.