Modelo é demitida por estar menstruada e entra com ação judicial

Redação - O Estado de S. Paulo

Rachel Rickert processou Hyundai após empresa mandá-la embora no meio do expediente

Modelo Rachel Rickert passou por situação constrangedora durante evento

Modelo Rachel Rickert passou por situação constrangedora durante evento Foto: Reprodução/Twitter

A modelo norte-americana Rachel Rickert, de 27 anos, entrou com uma ação judicial contra a montadora de automóveis Hyundai. Ela alega que foi demitida simplesmente por estar menstruada.

Rachel trabalhou para a companhia na feira Auto Show Internacional de Nova York, recepcionando clientes no quiosque da marca. Ela alertou a empresa de que precisaria de um intervalo durante o evento para ir ao banheiro, mas foi informada que não seria possível pela alta carga de trabalho.

Após menstruar e não poder sair do local, Rachel ficou com as roupas (um vestido e uma meia-calça pretos) ensanguentados. Ela pediu à sua agente, Erika Seifred, um tempo para se limpar e um uniforme novo, mas acabou sendo mandada embora.

Erica explicou que a Hyundai queria que Rachel fosse para casa por conta do "problema com a menstruação". A profissional ainda tentou argumentar que precisava continuar trabalhando, já que estava ganhando por hora.

"Ela [a agente] me ligou dois dias depois da feira para dizer que a Hyundai não me queria mais representando eles porque ficaram sabendo que fiquei menstruada", explicou Rachel, em entrevista ao The New York Post.

"Você não é um robô e tem que ir ao banheiro principalmente quando está menstruada. Eles agem como se não fôssemos humanas. Não vou ficar com vergonha por isso. Não vou deixar alguém dizer que não posso ficar menstruada enquanto estou trabalhando. Isso é inaceitável", desabafou a modelo.

Um porta-voz da Hyundai falou sobre o caso à BBC: "Tomamos qualquer queixa como algo sério e responderemos adequadamente, uma vez que possamos investigar os méritos da reivindicação".

Depois do incidente, Rachel ainda ficou sem receber o salário combinado. Ela esperava ganhar US$ 5 mil, mas afirma que não ganhou nada pelo serviço prestado.