Menina vende brigadeiros para conseguir fazer festa de 15 anos

Anita Efraim - Especial para O Estado de S. Paulo

Melissa vai três vezes por semana na região da Berrini com seus doces

Melissa vende seus brigadeiros por R$ 2,50 na região da Berrini, em São Paulo

Melissa vende seus brigadeiros por R$ 2,50 na região da Berrini, em São Paulo Foto: Pixabay

Melissa Oliveira Soares completa 15 anos em junho e tem vontade de fazer uma grande festa para comemorar. No entanto, ao pedir para sua mãe, Rosi Oliveira, teve a decepção de receber um não. Negar a comemoração à filha também foi difícil para ela.

Inspirada em uma história que viu na internet, sobre uma pessoa que vendeu brigadeiros para conseguir juntar dinheiros e realizar um sonho, Melissa decidiu que faria os mesmos docinhos para arrecadar fundos para sua festa.

"Eu faço tudo sozinha. No começo, ela [Rosi] não gostou muito, mas depois ela viu que eu estava me esforçando para fazer isso", explica a jovem. No início, ela tentou fazer brigadeiros de bolinha, mas achou mais fácil colocá-los em um copinho.

Rosi diz que, a princípio, foi difícil para ela aceitar a iniciativa da filha, porque elas não precisam disso. Apesar de não ter dinheiro suficiente para bancar os gastos de uma festa sozinha, a família tem uma boa condição financeira e nada falta.

"Foi um pouco frustrante, por achar que eu não poderia dar tudo que ela precisa", explica. "Depois eu entendi que ela estava tentando me ajudar."

A mãe e Melissa vivem sozinhas, sem ajuda de mais ninguém. Rosi é gerente em uma empresa de transporte internacional e tem um segundo emprego, como coach. Toda a renda da segunda ocupação será dedicada à festa da filha, aliada ao dinheiro da venda dos brigadeiros. É a menina quem cuida sozinha de toda a produção e da venda dos doces.

Melissa fica na região da Avenida Berrini, na zona sul de São Paulo, três vezes por semana e cada brigadeiro custa R$ 2,50. Seu objetivo por dia é vender 30 unidades. Até maio, ela estima que conseguirá R$ 5 mil, metade do valor da festa.

"Eu vendo no caminho dos meus cursos, eu faço inglês e curso de música", diz a menina. Ela explica que o melhor horário é quando as pessoas que trabalham na região vão para casa ou para o happy hour.

Apesar de ficar preocupada com a filha, o fato de a região ser bastante movimentada e perto do trabalho de Rosi tranquiliza a mãe. "Ela fica em um quarteirão que é movimentado e não vai para lugares escuros."

Com a repercussão da história de Melissa, algumas pessoas se dispuseram a ajudá-la a conseguir realizar seu sonho, com o 'dia de princesa', para se arrumar para a festa, e até mesmo o vestido.

A comemoração está marcada para junho e o plano da menina é fazer um baile de máscaras, "com muito vermelho, vinho, preto e dourado".