Mãe reescreve dever de casa da filha por considerá-lo sexista

Redação - O Estado de S.Paulo

Lynna Polvino considerou que a tarefa ensinava valores sexistas à sua filha, por isso reescreveu o texto e postou a versão na Internet

Mão não concordou com a lição de casa da filha

Mão não concordou com a lição de casa da filha Foto: Facebook/ https://www.facebook.com/lynne.polvino

Quando uma mãe de Nova York decidiu ler o dever de casa de sua filha, não gostou nada do que viu e quem acabou aprendendo uma lição foi a escola. Isso porque Lynna Polvino considerou que o exercício era sexista, resolveu reescrevê-lo e postou a versão original e a editada nas redes sociais.

O exercício consistia em uma história sobre a mãe de uma menina que voltaria ao mercado de trabalho. Algumas palavras do texto estavam faltando e cabia à criança completar.

Lynna, no entanto, considerou que a lição adotava um tom extremamente sexista sobre mães que trabalham. O texto original dizia:

 

“Lisa não estava feliz. Sua mãe voltara a trabalhar. Antes de Lisa nascer, sua mãe trabalhava numa grande firma. Ontem, ela contou a Lisa que ela voltaria ao trabalho.

A manhã foi terrível. Lisa teve de chegar à escola no horário certo, assim como seu pai. E agora a sua mãe também entraria na correria.

O seu pai fez o café da manhã. Não estava bom e ele ainda pediu para Lisa lavar a louça. Aquilo também não lhe agradou.

Lisa não gostou do seu dia na escola. Em seu caminho para casa, ela pensou: ‘Eu me pergunto que horas mamãe vai chegar em casa. Eu vou me sentir sozinha até ela chegar’.

Mas quando ela chegou em casa, sua mãe estava lá. ‘Eu saí mais cedo para nós podermos ficarmos juntas’, disse. Lisa ficou feliz.”

 

Lynna Polvino reescreveu a história de modo a contar sobre uma mulher que voltou a trabalhar e o seu marido ficou em casa para cuidar de Lisa e de seu irmão mais novo. A nova versão ficou assim:

 

“Lisa estava feliz, sua mãe voltara a trabalhar. Antes de Lisa nascer, sua mãe trabalhava numa grande empresa.

O chefe de sua mãe reconhecia a importância de seu trabalho para o escritório, por isso lhe ofereceu quase um ano de licença maternidade e um horário flexível em seu retorno.

O pai de Lisa ficou em casa durante a sua licença paternidade para cuidar de Lisa e seu irmão mais novo e, assim, dividir igualmente as tarefas da casa.

O pai de Lisa fez o café e estava delicioso. Ele fez a menina lavar a louça porque qualquer ser humano fisicamente capaz deve aprender a cuidar de si".

 

Claro que Lynna não poderia ter terminado de jeito melhor:

 

"Lisa estava feliz por crescer em uma sociedade livre de estigmas de gênero e misoginia”.

 

Confira a postagem original: