Fabricantes de carros focam nas mulheres sauditas em anúncios

redação - O Estado de S.Paulo

Até então proibidas, elas poderão dirigir a partir de junho de 2018, mas comprar um automóvel ainda pode ser uma barreira

A Arábia Saudita era o único país do mundo no qual as mulheres ainda não tinham permissão para dirigir.

A Arábia Saudita era o único país do mundo no qual as mulheres ainda não tinham permissão para dirigir. Foto: Reem Baeshen/AFP Photo

Menos de uma semana depois de a Arábia Saudita anunciar que as mulheres do país poderão dirigir um automóvel, as montadoras já publicaram anúncios nas redes sociais com foco nas futuras motoristas, mesmo que a liberação só ocorra a partir de junho de 2018.

Comprar um carro, porém, ainda pode ser uma barreira para as sauditas, uma vez que o sistema de 'guarda masculina' faz com que os homens controlem a vida das mulheres.

É provável que elas precisem da permissão do pai, marido, irmão ou filho para comprar um automóvel, assim como ainda precisam de autorização para alugar um apartamento, trabalhar ou abrir uma conta bancária.

"Se você não tem crédito, se você não tem dinheiro, seu guardião masculino será quem vai decidir se você compra um carro ou não", disse à Associated Press Rebecca Lindland, analista da Cox Automotive nos Estados Unidos.

Apesar disso, marcas como Volkswagen, Ford, Nissan, Land Rover, Cadillac e Kia lançaram novos anúncios nas redes sociais em uma tentativa de ser o primeiro a entrar nesse 'novo mercado':

"É a sua vez, pegue o lugar do motorista", diz o anúncio da Volks.

"Mostre a eles o que significa dirigir o mundo para o futuro", propõe o anúncio da Cadillac.