Dolly é aconselhada pelo Conar a acabar com sua propaganda de Páscoa

Redação - O Estado de S.Paulo

Órgão diz que a peça publicitária viola diretriz do Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária que aborda o uso de menores de idade em propagandas

Peça publicitária é veiculada anualmente desde 2007

Peça publicitária é veiculada anualmente desde 2007 Foto: Reprodução de propaganda da Dolly

O Conselho de Ética do Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) decidiu, por unanimidade, recomendar à empresa Dolly a suspensão da veiculação de sua propaganda de Páscoa. Decisão foi publicada no site da entidade após a reunião do conselho no último dia 30.

"Há uma das diretrizes do Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária que diz que propagandas não devem apresentar menor de idade vocalizando apelos de consumo", explicou o assessor de imprensa do Conar, Eduardo Correa.

Há um jingle na propaganda julgada pelo órgão em que crianças falam o nome da marca algumas vezes, o que foi considerado pelos conselheiros como uma infração a essa diretriz. O Conar enviou a notificação para a empresa, que terá até cinco dias após a confirmação do recebimento para recorrer.

Por meio de nota, a assessoria de imprensa da marca afirmou que ainda não recebeu a notificação e que se surpreende com a notícia. "A Páscoa foi comemorada há mais de 45 dias e o comercial é veiculado anualmente desde 2007 nas principais emissoras de televisão do país, sem nunca ter sido alvo de notificação do órgão", diz a nota.