Campanha usa memes para pedir igualdade de gênero

Redação - O Estado de S.Paulo

Entidades feministas pedem pela aprovação do ERA, uma emenda que garante que mulheres e homens são iguais na constituição dos Estados Unidos

Ela ganhou 23 títulos de tênis. Mas não é igual aos homens perante à lei. 

Ela ganhou 23 títulos de tênis. Mas não é igual aos homens perante à lei.  Foto: Pass the ERA

Organizações feministas dos Estados Unidos estão lutando para que uma cláusula de igualdade de gênero, apresentada originalmente há mais de 50 anos, seja incluída na constituição federal do país. Para isso, elas estão usando um recurso bastante inusitado: memes.

A campanha PassTheERA (ou passe a Emenda de Igualdade de Gênero, em tradução livre) usa imagens bem-humoradas na internet para chamar a atenção para a emenda. O projeto de lei, escrito por Alice Paul e Crystal Eastman, foi apresentado ao Congresso pela primeira vez em 1923. Com o passar dos anos, porém, o projeto foi votado, alterado e esquecido.

Uma das imagens da campanha mostra a juíza da Suprema Corte Ruth Bader Ginsburg com um pequeno asterisco na palavra 'mulher': "Não é igual aos olhos da lei", explica o asterisco, em letras miúdas.

Essa não é a primeira vez que alguém tenta chamar a atenção para o ERA. Em 2015, a atriz Patricia Arquette falou sobre a emenda em seu discurso no Oscar. Kerry Stranman, chefe de criação da agência Enso, responsável pela campanha, diz que a ideia surgiu há um ano, quando parecia que os americanos iriam escolher sua primeira presidente mulher.

Em 1969, nós fomos à lua. Em 2017, nós ainda não temos direitos iguais para as mulheres.

Em 1969, nós fomos à lua. Em 2017, nós ainda não temos direitos iguais para as mulheres. Foto: Pass the ERA

 

Primeiramente, Kerry e seus colaboradores pensaram em fazer um vídeo com personalidades falando sobre a importância da ERA. Porém, quando Donald Trump ganhou a eleição, a ideia mudou. "Em vez de fazer uma campanha com uma marca, vamos deixar apenas as pessoas se comunicarem na linguagem que elas falam normalmente", explicou Kerry ao Mashable.

Em abril, a Enso recrutou 35 pessoas das áreas de tecnologia e publicidade para uma hackaton, onde eles vieram com dezenas de memes que traduziam bem a internet. Alguns resolveram 'corrigir' a constituição com corretivo, no artigo que fiz que 'todos os homens nascem iguais'. Já outros, usaram mulheres famosas para mostrar que, mesmo com grandes conquistas, elas não desfrutam dos mesmos direitos dos homens.

Todas as imagens da campanha podem ser vistas no site oficial, podendo ser salvas no computador e em dispositivos móveis ou compartilhadas nas redes sociais.

Aqui, um corretivo corrige a frase da constituição que diz que 'todos os homens nascem iguais' por 'todas as pessoas nascem iguais'.

Aqui, um corretivo corrige a frase da constituição que diz que 'todos os homens nascem iguais' por 'todas as pessoas nascem iguais'. Foto: Pass the ERA