Aplicativo de celular conta quantas vezes uma mulher é interrompida por um homem

Hyndara Freitas - Especial para O Estado de S. Paulo

Já ouviu falar em 'manterrupting'?

No debate presidencial das eleições americanas, Donald Trump interrompeu Hilary Clinton diversas vezes.

No debate presidencial das eleições americanas, Donald Trump interrompeu Hilary Clinton diversas vezes. Foto: AFP PHOTO/Robyn Beck

Seja durante uma reunião, numa discussão, em debates políticos e até mesmo em premiações, o fenômeno denominado 'manterrupting', em que um homem interrompe uma mulher que está falando, acontece diariamente em todo o mundo.

Agora, um aplicativo de celular quer transformar isso em números. Quantas vezes uma mulher é interrompida por um homem durante o dia? E numa semana, num mês, ano? O Woman Interrupted vai fazer as contas.

"Me chamou muita atenção como o Trump e os repórteres interrompiam Hilary Clinton. Também teve o Kanye West que tomou o microfone da mão da Taylor Swift durante o Grammy. A gente começou a observar mais e vimos que é algo recorrente no mundo inteiro, há estudos sobre isso, então pensamos: 'aqui tem um tema  importante, a gente vê isso no nosso dia a dia, as mulheres são sistematicamente interrompidas. Isso quando elas mesmas não tomam a decisão de ficar calada pelo constrangimento de terem sido interrompidas", conta Gal Barradas, sócia-Fundadora e Co-CEO da BETC São Paulo, agência de publicidade responsável pelo app.

Ao perceber a situação, a equipe da agência quis tomar uma atitude, algo além de uma simples campanha. "Queríamos fazer algo que as mulheres pudessem usar como ferramenta de trabalho, no dia a dia mesmo. A gente passou seis meses desenvolvendo, fazendo todos os testes para chegar numa tecnologia de ponta, ele realmente identifica a voz masculina e a voz feminina. Oapp consegue até descartar barulhos que eventualmente aconteçam numa sala de reunião, como uma batida de porta, barulhos de caneta caindo. A gente conseguiu chegar numa ferramenta muito precisa", explica a sócia sobre o aplicativo que não tem fins lucrativos.

Aplicativo vai contabilizar quantas vezes as mulheres são interrompidas por um homem.

Aplicativo vai contabilizar quantas vezes as mulheres são interrompidas por um homem. Foto: BETC/Woman Interrupted

O termo 'manterrupting' surgiu em 2015,  com o artigo  'Speaking while Female' (Falando enquanto Mulher), publicado no The New York Times, escrito por Sheryl Sandberg, chefe de operações do Facebook, e Adam Grant, professor da escola de negócios da Universidade da Pensilvânia. No artigo, foi citado um estudo feito por psicólogos de Yale que aponta que senadoras americanas falavam muito menos que seus colegas homens em posições inferiores.

O aplicativo tem foco no mercado corporativo, mas pode ser usado em qualquer situação. Depois de baixar o app, gratuitamente, nas lojas de aplicativo do Android e iOS, basta criar um cadastro com login e senha, selecionar o país em que mora e escolher entre quatro idiomas (português, francês, espanhol e inglês). Depois, a usuária deve calibrar a voz, repetindo três vezes a frase 'não vou ser mais interrompida', e começar a usar.

O Woman Interrupted foi lançado oficialmente na última segunda-feira, 6, e, daqui a dois meses, a BETC pretende divulgar uma cumulativa dos dados obtidos. "O Woman Interrupted não guarda as conversas e nem armazena os números individuais, apenas faz um compilado de dados em massa, por região", explica Gal.

Os dados serão lançados num Dashboard Global, que vai apresentar os dados coletados em tempo real, e será uma plataforma aberta para qualquer pessoa. A ideia é disponibilizar informações como número de interrupções por minuto e por país e comparativos entre regiões e faixa etária.

"A ideia é jogar luz sobre esse problema, para que ele seja entendido e resolvido. Tomara que daqui a alguns anos a gente esteja dando risada de um dia ter de ter criado algo como isso", comenta a sócia.

Confira mais sobre o aplicativo no vídeo abaixo: