Aplicativo da ONU coloca o usuário 'na pele' de refugiado

Redação - O Estado de S.Paulo

O objetivo é sensibilizar as pessoas sobre a situação do povo rohingya

Em pareceria com uma desenvolvedora malaia, a ONU criou aplicativo que simula a vida de um refugiado do povo rohingya.

Em pareceria com uma desenvolvedora malaia, a ONU criou aplicativo que simula a vida de um refugiado do povo rohingya. Foto: Reuters / Soe Zeya Tun

Poucos conhecem a história do povo rohingya, uma das etnias mais perseguidas no planeta. São uma minoria muçulmana que vivem no oeste de Mianmar, país no sul da Ásia, mas são considerados imigrantes ilegais pelo governo local apesar de estarem na região desde o século XV. Isso faz com que muitos vivam em situação de refugiados políticos na Malásia, o país muçulmano mais próximo.

Para melhorar a visibilidade sobre a situação desse povo, a Organização das Nações Unidas (ONU) criou um aplicativo junto com uma desenvolvedora malaia que simula o trajeto de uma adolescente e seu irmão fugindo da perseguição política de Mianmar até se tornarem refugiados na Malásia.

O jogo simula o uso do smartphone de uma adolescente rohingya. Por meio de mensagens e vídeos a ONU espera mostrar para pessoas do mundo inteiro como a situação desse povo é precária. Caso você tenha se interessado, o aplicativo é grátis e está disponível para download na Google Store (ainda não há uma versão para iOS).