Amamentação de bebê por mulher transgênero é registrada pela primeira vez em jornal científico

Redação - O Estado de S.Paulo

Técnica foi a mesma utilizada por mães que tenham filho gestado por barriga de aluguel

Mulher transgênero amamentou por seis semanas seguidas (imagem ilustrativa)

Mulher transgênero amamentou por seis semanas seguidas (imagem ilustrativa) Foto: Pixabay / @badarsk

Cientistas dos Estados Unidos conseguiram fazer com que uma mulher transgênero produzisse leite e amamentasse o filho apenas com hormônios femininos e uma técnica para induzir a lactação.

A mulher nunca se submeteu a cirurgia de mudança de sexo e procurou a equipe médica para saber se poderia amamentar, uma vez que sua parceira não queria fazê-lo.

A paciente tomava um medicamento, comprado no Canadá, que trata problemas gástricos mas que possui o efeito colateral de aumentar a lactação e não é licenciado para esse fim. Ele é proibido nos Estados Unidos, mas permitido em outros países.

Os médicos, no entanto, disseram para ela continuar tomando o remédio diariamente e usar uma bomba de leite nos seios, também todos os dias. Após ter gotas de leite saindo dos seios, foi incentivada a aumentar a dosagem.

A equipe médica disse que a mulher amamentou incessantemente durante seis semanas e que o pediatra do bebê disse que ele estava com níveis normais de desenvolvimento.

Após esse período, o volume de leite produzido variou e foi preciso complementar a dieta da criança, mas ela continuou se alimentando do leite materno até os seis meses.

O caso é o primeiro a ser registrado em um jornal científico e foi conseguido pelos cientistas Tamar Reisman e Zil Goldstein do Mount Sinai Center for Transgender Medicine and Surgery de Nova York. Contudo, casos de mulheres transgênero se automedicando para induzir lactação são conhecidos.

Eles acreditam que seria possível obter os mesmos resultados sem utilizar o medicamento usado pela mulher do experimento, apenas com hormônios e bombas de lactação. Por isso, pedem que a pesquisa continue.

A técnica usada nesse experimento é baseada no protocolo Newman-Goldfarb, desenvolvido em 1999 para induzir lactação em mulheres cujo filho tenha sido gestado em barriga de aluguel.