Vida nova ao design

Marcelo Lima - O Estado de S.Paulo

Afeito sobretudo à emoção, o London Festival 2008 abriu espaço a uma outra concepção dos objetos de uso cotidiano

Um dos destaques do festival, o inglês Tom Dixon, junto como o fabricante George Smith, transformou um antigo salão, em Knightsbridge, em uma fábrica de sofás e poltronas. Divulgação Aviso aos navegantes: bons ventos sopram de Londres. O design, visto da perspectiva do London Design Festival, não é mais o que costumava ser. Liberta das amarras da funcionalidade - mas nem por isso menos úteis -, toda uma nova geração de objetos ganha vida e visibilidade. Uma vitrine que tem como epicentro os pavilhões de Earls Court - sede da 100% Design, a mostra principal -, mas que, como Milão, já envolve a cidade como um todo. Do elegante Brompton District, que recebeu hóspedes ilustres - de Frank Gehry, no Hyde Park, a Tom Dixon na fábrica aberta em Knightsbridge -, passando pela região central, sede da Designers Block, além da Aram Store, a loja de design mais descolada da capital inglesa. Sem esquecer do vanguardista east, cenário da Tent, a mais radical das mostras, mas também da mais consolidada das marcas britânicas, a Established & Sons. São pontos de convergência de designers mais afeitos à propagação das emoções do que à simples glorificação da reprodução em série. De objetos que se apresentam quase como protótipos. Produtos que se pretendem, despretensiosamente, fazer parte de nossas vidas e que, longe de ultimatos e certezas, se abrem à discussão, propondo soluções alternativas para os dilemas atuais. Entre eles, o da sustentabilidade ambiental. Uma nova abordagem para a criação de objetos de uso cotidiano que ganhou força na última década e que se manifesta, em Londres, com toda a intensidade principalmente entre os jovens designers. "Não existe design silencioso. Todos os designers, todos os objetos, contam histórias. Uns, deliberadamente, outros de forma inconsciente. Eles falam por si", sinalizam os mestres Luis Porter e Sergio Stelo, não sem razão, em seu livro Design by Narrative. Como bem confirmam os lançamentos da última edição do London Design Festival, que se realizou entre 13 e 23 deste mês - e que o Casa& apresenta, em primeira mão, alguns destaques abaixo:     De Varmo Kolstad, luminária de teto em plástico moldado, com formato de flor aberto ou em botão. Foto: Divulgação   Infold, mesa e cadeira desmontáveis, em papelão rígido, desenhadas pelo inglês Ruper Mckelvie, que surpreende pela facilidade de montagem e precisão do desenho. Utilizando papelão reciclado, é também ecologicamente correta. Foto: Divulgação       Usualmente, um armário se caracteriza por suas dimensões fixas: número de gavetas, comprimento, altura, profundidade e mesmo cores. No móvel proposto por Shay Alkalay para a Established & Sons, todos estes parâmetros são questionados: em forma de toten, a peça traz gavetas que podem ser abertas em diferentes direções. Foto: Divulgação.