Velho espaço, novo conceito

- O Estado de S.Paulo

O lugar que quase sempre serviu só para preparar alimentos ganha status na casa com beleza e tecnologia

.

Reportagem de Marcelo Lima

Fotos de divulgação

 

Gourmeteria. Home cooking. Cookware. Chega a causar espanto a quantidade de termos associados à cozinha. E também o atual interesse das pessoas por um ambiente que, em um passado não muito distante, era considerado espaço de serviço, mas que hoje ganhou status.

 

Cozinha modelo Rovere, da Bertolini, montada a partir do sistema Persona, que permite a customização do ambiente

 

"A sofisticação na cozinha é uma tendência que veio para ficar", afirma Edson Busin, gerente de marketing da Dellano, empresa gaúcha que acaba de investir R$ 4 milhões na construção de um showroom direcionado para o segmento, além de um loft, com mais de 2 mil m², apenas para apresentar seus produtos na Casa Brasil. "Agregamos pedras às nossas cozinhas, que ganharam tons mais austeros, como o cinza e o marrom."

 

No desenho, a empresa continua a investir no minimalismo. Mas, no que diz respeito aos acabamentos, parece dar adeus às superfícies brancas e lisas. É a hora e vez dos texturizados e translúcidos. Mesmo priorizando a tecnologia, nos novos modelos é nítida a intenção de se contrapor à limpeza formal do aço e do vidro.

 

Ccom ares de sala de estar, a Métra Cucina, da SCA. à direita, modelo Virginia, da Bertolini

 

E a Dellano não está sozinha. A julgar pela produção apresentada na feira gaúcha, começa a se firmar entre os fabricantes um conceito mais amplo de cozinha, vista não mais como um espaço voltado apenas para a preparação e consumo de alimentos.

 

Não por acaso, as cozinhas da Bertolini, por exemplo, têm como foco a personalização total dentro da casa. Nelas, é possível explorar ilimitados desenhos para o ambiente, combinar cores e materiais, conceber móveis de vários tipos, com inúmeras medidas e dimensões, além de optar por uma grande variedade de revestimentos.

 

Cozinha da Dellano que lança mão do cinza e do marrom, em composição aberta e integrada à decoração

 

Menos ostensiva no plano externo, a tecnologia se impõe dentro dos armários e gavetas, que aparecem repletos de acessórios e compartimentos específicos, além de contar com ferragens mais aperfeiçoadas, que reagem a um simples toque. Sem falar no desenho de coifas, fornos e fogões que ganham visual mais leve.

 

Se a atmosfera do ambiente mudou, a configuração dos móveis não poderia ficar de fora. Concebidos para ficar soltos nos ambientes, armários, planos de apoio e bancadas recebem os mesmos cuidados de acabamento em todos os lados – sob medida para atender a um espaço onde não mais se distingue a frente do verso.