Uma casa para bem receber

Marcelo Lima - O Estado de São Paulo

Decorada para bem receber, casa de praia em São Sebastião investe em simplicidade e atmosfera acolhedora

Em praia tranquila, ladeada por colinas, interiores elaborados por Marina Linhares para casa em São Sebastião investem em simplicidade e acolhimento

Em praia tranquila, ladeada por colinas, interiores elaborados por Marina Linhares para casa em São Sebastião investem em simplicidade e acolhimento Foto: Evelyn Muller/Divulgação

Apesar de ser considerada uma das mais belas de São Sebastião, a praia de Guaecá, para a alegria de seus moradores e raros veranistas, é uma das menos frequentadas do seu litoral. Além disso, por ser relativamente extensa, ela acaba ficando quase sempre vazia, mesmo durante períodos de férias ou feriados prolongados. 

“Sem dúvida este fator pesou na escolha dos proprietários. Eles queriam dispor de uma casa de veraneio que pudesse ser curtida com calma e tranquilidade, como se estivessem no campo”, explica a designer de interiores Marina Linhares, autora do projeto de interiores desta residência de 390m², que leva a assinatura do arquiteto Gui Mattos.

Com a praia logo à frente e ladeada por colinas de verde intenso, a arquitetura soube, com razão, lançar mão de generosas aberturas, razão pela qual, a casa permanece bem iluminada e ventilada durante a maior parte do dia. Tanto no térreo, que concentra, além da área social, piscina, varanda, cozinha e churrasqueira, quanto no superior. Setor reservado à área íntima, com 4 suítes e sala de TV. 

“Eles adoram receber. Suas duas filhas adultas, genros e netos estão sempre por lá, por isso, dotar a casa de interiores acolhedores, foi, desde o início, uma prioridade absoluta”, conta Marina, que, mais uma vez, exercitou na decoração uma de suas principais especialidades: construir um bem dosado mix de tecidos e fibras naturais. No caso, a partir do predomínio quase absoluto do branco e do azul.

“Elaborei a decoração da casa inteiramente com base na brincadeira entre os dois tons”, assume a designer. Outras cores entraram na receita, mas quase de forma acidental. Seja por meio de flores nativas ou por meio de arranjos com vasos cerâmicos, feitos pela dona da casa. “Ela é ceramista é criou peças exclusivas para a casa, o que tornou a decoração ainda mais autoral”, conta ela. 

Apesar de estritamente fiéis ao propósito de permanecer simples, os interiores imaginados por Marina têm muito pouco de rústico ou primitivo. Muito ao contrário. Reduzido ao essencial, o mobiliário mistura peças de inspiração vintage, como uma romântica cama com dossel, com outros de tiragem mais recente, como luminárias de aço e vidro. Mas tudo dentro de uma perspectiva contemporânea.

O predomínio da madeira, sobretudo nos móveis e revestimentos, venho imprimir uma dose extra de calor a ambientes com piso frio, ao passo que a profusão de fibras naturais, presente em almofadas, tapetes e mantas garante o mais que merecido conforto.

Penso nas fibras naturais não apenas em função de seu potencial estético, mas também de praticidade. Em se tratando de uma casa na praia elas são duplamente indicadas. Não envelhecem com tanta facilidade, nem são tão afetadas pela maresia”, explica a arquiteta, segundo quem, para bem se apreciar os </IP>aspectos mais agradáveis da vida, às vezes, tudo o que se precisa é de um pouco de simplicidade.