Total repaginada

Marcelo Lima - O Estado de São Paulo

Assinado por Diego Revollo, apartamento com distribuição tradicional passa por reforma completa para receber seu mais novo morador: um jovem administrador de empresas apaixonado por artes e design

Ocupando parta do antigo dormitório de empregada, apartamento ganhou um home-office

Ocupando parta do antigo dormitório de empregada, apartamento ganhou um home-office Foto: ALAIN BRUGIER / DECORAÇÃO

Reunir fotos com os ambientes e móveis preferidos para servirem de referência para quem vai projetar é um procedimento bastante comum entre aqueles que pretendem construir ou reformar. E, ao contrário do que possa parecer, é visto com muito bons olhos por arquitetos e designers de interiores. Afinal, em se tratando de decoração, uma imagem geralmente vale bem mais que mil palavras. 

“O mais comum é o cliente chegar com muitas ideias, nem sempre muito conectadas, tentando, a todo custo, encaixá-las na decoração. Nesses casos, cabe a nós profissionais dar uma boa peneirada no material, deixando claro o que vale, ou não, ser adotado” explica o arquiteto Diego Revollo, autor do projeto de reforma deste apartamento de 90 m², no bairro da Vila Mariana. 

“Não se tratava de um cliente típico”, admite Revollo, a respeito do proprietário do imóvel: um jovem administrador de empresas, admirador de arte e fotografia, que tinha ideias bastante precisas sobre sua futura morada. “As referências que ele me forneceu sequer mostravam ambientes ou móveis. Mas sim seu universo estético. Seu amor pelo mar, pelo azul, pelo verde, pelo azul petróleo”.

À parte todo seu requinte, algo também ficou bem claro desde o primeiro encontro com o arquiteto: tudo no apartamento deveria ser muito prático e confortável, mesmo que para isso fosse necessário empreender uma reforma ser radical no imóvel. “Segundo ele, não havia nada da configuração original que devesse, obrigatoriamente, ser mantido. A começar pela distribuição dos ambientes”, conta. 

Bastante compartimentada, a planta original concentrava nada menos que 3 dormitórios, sendo uma suíte, além de sala, cozinha, lavabo, lavanderia e dormitório de serviço. “De cara percebi que deveria enfatizar a integração dos espaços e diminuir o número de compartimentos. Também considerei eliminar um dos dormitórios para ampliar a sala e abrir totalmente a cozinha para o ambiente”.

Assim, ampliada pela abolição de um dos quartos, a sala original cresceu, dando origem a um único estar. Assim como o antigo lavabo que incorporou parte do dormitório de empregada; enquanto a área restante abriu espaço para a criação de um pequeno escritório doméstico. Um desejo expresso do morador, que volta e meia acaba tendo de trabalhar em casa.

Com paredes e tetos revestidos em cinza e assoalho de madeira de coloração mel, bastante clara, apenas esses dois elementos já seriam suficientes para imprimir uma base sofisticada à decoração. Mas, o que acabou saltando aos olhos de quem visita o apartamento foi a ênfase dada à cor azul petróleo. Favorita do dono, é ela que reveste a cereja do bolo do imóvel, o home-office. 

Outro ponto alto do projeto, a marcenaria aparece com destaque também nas áreas molhadas. “Tentei fugir do banheiro com cara de banheiro”, conta Revollo que além de piso de madeira, dotou os ambientes de cubas posicionadas sobre cômodas, de visual levemente retrô. “Elas mais se parecem com móveis, deixando o conjunto todo muito mais harmônico. Bem a gosto do meu cliente”, conclui.