Reforma integra varanda à sala de estar

Marcelo Lima - O Estado de São Paulo

Transição entre duas áreas passa quase despercebida

A parede revestida com textura que simula cimento unificou a área de estar

A parede revestida com textura que simula cimento unificou a área de estar Foto: divulgação

O projeto de interiores deste apartamento, de 220 m², localizado na Vila Nova Conceição, em São Paulo, partiu do desejo expresso de seus proprietários – um jovem casal com uma pequena filha – de integrar a área da varanda à da sala e, sendo assim, criar uma situação ideal de continuidade, suave e sem grandes contrastes, entre os dois ambientes. 

“O piso de madeira de demolição padrão peroba, que reveste a totalidade do apartamento, com exceção da cozinha, se prestou bem à tarefa. Assim como a pintura das paredes em toda a área social, que reproduz a textura de cimento queimado”, conta o autor do projeto, o arquiteto Maurício Karam, que elegeu o cinza como base da sua composição cromática.

Não por acaso, é a cor, em versão laca brilhante, que aparece na porta de entrada do apartamento, formando um grande pórtico, unificado com a porta do lavabo. Em graduações rebaixadas, a tonalidade surge também nos estofados, no conjunto de mesas de centro e em muitos dos acessórios. “O tom se adapta bem à atmosfera de lounge para receber que os proprietários almejavam”, diz.

Siga o Casa no Instagram e use a hashtag #casaestadao

Sintonizado com o clima pretendido, o desenho do living investe em uma distribuição mais solta, na qual móveis amplos convidam à descontração. Caso, por exemplo, do despojado sofá de veludo, repleto de almofadas, ou das duas poltronas posicionadas frente a uma enorme tela em tonalidades de vermelho.

A sala de jantar, outro ponto bastante frequentado da casa, traz mesa de laca azul brilhante para até nove pessoas e serve de apoio para a área gourmet, onde o proprietário exerce seus dotes culinários para deleite de seus convidados. 

Em todos os ambientes, a iluminação, marcadamente rebaixada, segue a máxima, tão cara a Karam, de que quanto menos lâmpadas, melhor. Além de lâmpadas alógenas, com foco em pontos de destaque, como vasos e esculturas, sancas no forro de gesso oferecem iluminação geral. Mas apenas quando necessário.

“Tudo o que não queríamos era produzir uma aparência de ‘puxadinho’, tão comum em apartamentos onde a varanda foi integrada à sala de estar. Me arrisco a dizer, porém, que por aqui isso não acontece. O resultado visual é bastante sofisticado e a sensação de continuidade bastante presente. Ao menos é o que dizem os proprietários”, afirma o arquiteto.