No frio do campo

Rocky Casale - O Estado de S.Paulo

Nos EUA, casal troca a praia por uma antiga e espaçosa casa cercada de árvores

O velho galinheiro foi transformado em varanda, que, fechada com vidro, pode ser usada até nos dias mais frios

O velho galinheiro foi transformado em varanda, que, fechada com vidro, pode ser usada até nos dias mais frios Foto: Andrea Wyner/NYT

Depois de 25 anos como proprietários de uma casa de praia, Sam Grubman e Paul Morris decidiram trocá-la por uma no campo. E não foi por uma feliz razão, pelo menos no início. O fato é que Grubman, alergologista de 55 anos, desenvolveu um melanoma. “Sabíamos que era uma péssima ideia continuar perdendo tempo no sol”, disse Morris, um marchand de 54 anos. “Quando fizemos as contas percebemos que poderíamos ter um espaço bem maior.”

Em 2009, depois de vender sua propriedade em Fire Island, o casal adquiriu um imóvel de cinco quartos no norte do Estado de Nova York por US$ 800 mil (cerca de R$ 2,2 milhões). A casa fica em uma área de campo arborizada de 5,2 hectares com um lago alimentado por mananciais e cerca de quatro dezenas de macieiras que datam de meados do século 19. E havia outras coisas para se gostar: a banheira com pés instalada no quarto principal; a sala com pé-direito duplo que se abre para o segundo andar, com estantes de livros em toda a volta.

E, uma vez que os proprietários anteriores já tinham feito um bom trabalho, não foi necessária uma reforma. O casal se contentou em construir um embarcadouro no lago. Mas a adaptação ao local demorou um pouco. “Adoramos a casa, mas levou algum tempo para sabermos como usá-la em cada estação”, disse Morris.

Para Grubman, parte da resposta envolveu o aprendizado de jardinagem. Como cresceu no Brooklyn, sempre teve espaço verde limitado. E, na praia, jardinagem estava fora do programa. Agora, Grubman começou a ter aulas, plantando árvores, criando canteiros de flores elaborados e cuidando das árvores mais antigas, particularmente no inverno, quando a neve pesada precisa ser removida dos galhos para que não se quebrem.

Morris mergulhou na decoração, pendurando quadros que guardava há mais de 30 anos. Havia muito espaço para mobiliar, cerca de 297 m². Então, eles fizeram uma lista de todos os móveis que necessitavam e contrataram um marceneiro. Cinco anos depois, concluíram a decoração e se aclimataram à vida no campo, que, ao que parece, os satisfaz, apesar dos desafios que surgem em uma casa antiga. Mas eles sentem que ali é o lugar onde devem estar. “Fire Island costumava ser uma área sexy e Hamptons era para a elite”, disse Morris. “Upstate New York era o lugar para onde vinham pessoas que não eram nem sexy nem elite.” 

Tradução de Terezinha Martino