Mais que dormir

BETO ABOLAFIO - O Estado de S.Paulo

No quarto multifuncional, projetado por René Fernandes Filho para o Casa&, há cantos de leitura e de trabalho - além da cama

Para o cenário ficar como René Fernandes Filho desejava, seria preciso um tapete oriental - coisa fácil de arrumar. Mas também tingir, de berinjela, a parede de fundo. Tudo para contrastar com a cama de tom acinzentado e linhas retas criada por Luciana Martins e Gerson de Oliveira. A ideia era reproduzir um quarto completo no anexo da Ovo, loja galeria da dupla de designers, localizada na Vila Olímpia, em São Paulo. Convidado pelo Casa& para o desafio, o arquiteto paulistano, assim que pisou lá, logo imaginou como seria o espaço. Mas veio a pergunta: como pintar a loja, tão branquinha que é?

René teve sorte. Como Gerson e Luciana vão lançar sua nova coleção em breve, o visual do lugar vai ser mesmo alterado. Resultado: teve permissão deles para mandar colorir, por conta própria, a superfície. "Sem a pintura, ficaria com cara sem graça e comercial", analisa ele, que contou com pouco mais de uma semana entre a primeira visita e a montagem do ambiente exclusivo para o suplemento. Teve a ajuda de uma amiga, que virou braço direito no dia das fotos: Helena Pacheco Fernandes. "Foi um corre-corre parecido com o do tempo em que eu participava de Casa Cor", comenta o profissional, há sete anos longe da mostra.

Do tipo que gosta de garimpar móveis e objetos em diferentes endereços, René foi bater perna pela cidade. Afinal, ele já tinha em mente a base da decoração, além de ter escolhido peças da própria loja dos designers. É uma produção que apresenta estreita relação com as artes plásticas contemporâneas. Basta ver, por exemplo, a peça conceitual Home Sweet Home, de aço inox e acrílico, ou a poltrona Cadê.

Quando se pergunta ao arquiteto como ele conceitua seu trabalho, logo diz ser rústico-contemporâneo. "Um dia uma cliente disse isso e adorei", conta ele, para quem decorar é como o ato de se vestir. "O importante é ter um bom básico e, depois, ir acrescentando elementos que incrementam mais ou menos o visual, de acordo com a necessidade."

O resultado, aqui, vai além de um dormitório - trata-se de um ambiente para relaxar, ler e até mesmo trabalhar. É que há também uma saleta e uma mesa.

René parece ter acertado ao mesclar, com equilíbrio, peças de design atual com outras vindas de endereços especializados em mobiliário vintage. Fez bonito ao reunir a mesa de bronze fundido com motivos de pássaros e folhas, inspirada no escultor Giacometti, a poltrona italiana dos anos 40 e os assentos geométricos de Gerson e Luciana, além da mesa com estrutura de madeira criada por Carlo Mollino.

"Quanto à paleta de cores, escolhi tonalidades que se harmonizaram bem", considera. A opção foi por uma mistura ousada de berinjela, verde esmaecido, vermelho, gamas demarrom e preto.

A presença de obras de arte é, segundo René, outro detalhe que faz diferença nos projetos assinados por ele. Para o espaço vieam uma tela de Vik Muniz, que retrata Bette Davis; trabalhos com visual modulado, de Geraldo de Barros; e uma foto produzida por Rochelle Costi.

"Sempre me apresento como arquiteto-decorador", conta o profissional, que, formado pela Faculdade Brás Cubas, na cidade paulista de Mogi das Cruzes, nunca desprezou a importância das artes decorativas. Desde pequeno, encontrou terreno fértil à sua vocação. Filho de um médico famoso em São Paulo, o garoto cresceu entre a mãe e as três irmãs - todas, de algum modo, relacionadas ao universo estético.

A infância na casa em Cidade Jardim, projetada por Rodolpho Ortenblat e decorada por Germano Mariutti, faz parte das tantas memórias de René Fernandes Filho. Ele, que adora viajar, poderia ser só um dândi de 49 anos, não fosse o gosto pelo trabalho. "Mas também adoro me jogar num quarto como esse", brinca.