Invasão do post-it

Penelope Green, do The New York Times - O Estado de S.Paulo

Aqueles papeizinhos coloridos com meia cola já vão além de meros meios de mensagem - e invadem sua casa

Em 1980, quando a companhia americana 3M lançou o post-it, ninguém poderia prever o efeito que aquele retângulo de 7,6 cm x 7,6 cm, de cor Valium, teria sobre a vida doméstica. Seu início foi folclórico: 40 anos atrás, Spencer Silver, pesquisador da 3M, descobriu o adesivo "imperfeito" para o papelzinho. Foram mais seis anos para que Art Fry, outro pesquisador da empresa, descobrisse uma aplicação para aquela meia cola, algo que surgiu num lampejo de inspiração, porque os marcadores de seu livro de hinos insistiam em cair durante o culto. E, por anos, os post-its serviram principalmente para esse propósito - uma ferramenta para capturar um pensamento ou para marcar um lugar num documento, entre outras tarefas típicas de escritório -, mesmo quando estava migrando para fora de escritórios, para as residências (e suas garagens), para superfícies verticais, como armários, refrigeradores, espelhos, painéis, paredes, tampas de privadas e laterais de potes para ração de animais domésticos. As tendências migratórias do papelucho explicam por que a 3M desenvolveu o Post-it Super Stick, em 2003, com cola mais forte, que permite pendurá-lo com firmeza nas superfícies verticais domésticas. Artistas têm usado esses papéis coloridos como mosaico (uma busca no Google por Post-it Elvis trará um malicioso exemplo), assim como decoradores comothan Fong, que criou uma parede ?randomizada? em post-it para uma casa na Califórnia e fotografou o resultado para seu livro Walls That Wow: Creative Wall Treatments Without Fancy-Schmancy Painting (algo como Paredes que impressionam: tratamentos criativos para paredes sem pinturas babacas.) Os post-its escorregaram para o MoMA de Nova York, em 2004, levados por Paola Antonelli, curadora de arquitetura e design, que colocou o post-it, numa exposição, entre uma de suas Obras-Primas Humildes, e depois, num livro do mesmo nome, introduzindo-os com artigos como a camiseta e o Durex, no hall da fama. "Hipertexto numa porta de geladeira,o post-it sacudiu o mundo", disse Paola. A 3M não revela qual percentagem de seus ganhos advêm do post-it, ou qual nível de crescimento teve o produto no mercado. Mas, de acordo com o NPD Group, empresa de pesquisa sobre o varejo, o setor de papéis com adesivo liderado pelo post-it contabiliza vendas de US$ 106 milhões em lojas especializadas em material de escritório - como a norte-americana Staple -, entre junho de 2006 e maio de 2007. Dentro de pouco tempo, a empresa vai entrar fundo no ainda não totalmente sobrecarregado e topograficamente acidentado terreno do ambiente doméstico, com a primeira "coleção casa" oficial - Samba -, com cores quentes e padrões latinos, para melhor assessorar a conversação que você mantém, via post-it, com sua memória, seus entes amados ou seus fantasmas interiores (o post-it é o melhor veículo para qualquer comunicação).