Imersa na paisagem

- O Estado de S.Paulo

Um gigantesco contêiner, que procura se integrar, sem interferir ou se impor, à paisagem. Assim pode ser descrita a Casa Alcântara, projeto do FGMF, construída em Ilhabela. O imóvel é formado por dois blocos perpendiculares em desnível: um é dedicado à área íntima e compreende quatro suítes e mezanino; outro serve de espaço de convivência e de serviços (living, sala de jantar, cozinha e dependências de trabalho). No ponto de intersecção entre os dois, há um espaço para circulação e escada de acesso. Levada às últimas consequências, a racionalização construtiva foi a principal premissa da equipe de arquitetos.

A estrutura da casa é basicamente de concreto armado. As paredes receberam ora alvenaria, ora grandes janelas de vidro, equipadas ou não com persianas de madeira, dependendo do nível de transparência desejado para cada ambiente. Como protagonista, a exuberância da Mata Atlântica, que circunda praticamente toda a construção e faz a alegria dos moradores. "É um edifício marcadamente funcional, mas que, nem por isso, abre mão de uma intenção plástica explícita", explica Fernando Forte.

 

Veja também:

linkEra uma casa muito engraçada...

linkArquitetura do social

linkTime encara frio da Rússia

linkArrojo no projeto das duas paredes

linkUm trio e uma só meta