Estética do estilo

- O Estado de S.Paulo

A indústria e os estilistas despertam para a união entre design e moda. Imprimindo personalidade a móveis e objetos, criadores brasileiros colocam a casa em desfile. Aqui você verá uma mostra desse morar fashion

.

Reportagem de Beto Abolafio

Produção de Ângela Caçapava

Fotos de Zeca Wittner

Beleza (Adriana Barra) de Denylson Azevedo

Roupas vestem o corpo. Móveis vestem a casa. Moda e design sempre caminharam juntos. Mas, agora, com a velocidade das informações do mundo globalizado, essa relação entre as diferentes áreas anda cada vez mais estreita. Para além da criação, é uma questão de mercado.

 

Sofá com estampa orgânica em preto e branco, desenhado pelo estilista André Lima. Preço sob consulta, na Firma Casa

 

Importantes grifes internacionais, como ocorre com os perfumes, também têm sua linha para a casa – às vezes com lojas específicas para ela. No Brasil, é um fenômeno relativamente novo o interesse dos estilistas por criar produtos domésticos, tanto quanto o de fabricantes de móveis e objetos por aqueles profissionais. "Isso mostra um amadurecimento da indústria da moda no Brasil", opina a editora de moda Lilian Pacce. O objetivo é atender a um consumidor que busca o conceito do exclusivo e faz da casa extensão do comportamento. Para isso, a indústria e os próprios estilistas passam a apostar no frescor de um olhar capaz de agregar o que é fashion a um sofá, um lençol, um prato, entre outras possibilidades.

 

Veja também:

link'Casa é pele', diz Nakao

linkRua e retrô inspiram Sommer

linkVerão eterno de Slama

linkAndré testa a geometria

linkAdriana: escola de estampas

linkAntenadíssimo Herchcovitch

 

"É a estética do estilo", resume Sonia Diniz, proprietária da loja Firma Casa. Nesse consumo por identificação, a visão dos estilistas tem mesmo valor, segundo Houssein Jarouche, dono da Micasa. "Traz sofisticação", considera o empresário, que destaca a vivência dessa gente com o traço e os tecidos, natural para quem cria duas coleções de roupas por ano.

 

Mas ninguém troca a decoração de casa como quem troca de roupa. Portanto, móveis e objetos de grife têm de guardar certa perenidade. O segredo parece ser traduzir, da melhor maneira possível, o que é visceral em cada marca e autor, independentemente do preço do produto em questão. "Não precisa ser caro ou barato. Precisa ser único", explica o coordenador de tendências da Tok&Stok, Edson Coutinho.

 

Jum Nakao, Marcelo Sommer, Amir Slama, André Lima, Adriana Barra e Alexandre Herchcovitch são profissionais da moda brasileira que têm adentrado o mundo do design de mobiliário e objetos. Nas próximas páginas, confira as experiências de cada um deles no assunto, além de suas referências ao criar.