Especialista dá dicas de como servir no réveillon

Marcelo Lima - O Estado de São Paulo

Para receber um - ou muitos convidados - a blogueira e produtora Lucila Turqueto explica como colocar a mesa

A responsável pelo site Casa de Valentina, Lucila Turqueto

A responsável pelo site Casa de Valentina, Lucila Turqueto Foto: JULIA RIBEIRO/DIVULGAÇÃO

São bem diferentes as regras do receber quando o assunto é celebrar o Natal ou a passagem do ano. Enquanto no Natal a presença da família seja decisiva, no réveillon, a festa costuma rolar mais solta e atrair outros convidados. Além dos familiares, os amigos costumam marcar presença, o que exige atenção redobrada dos anfitriões. “Não são mais apenas os íntimos que estão ali. É preciso atentar para os detalhes”, afirma Lucila Turqueto, fundadora do site Casa de Valentina, que procura colocar em foco os questionamentos dos internautas sobre assuntos relacionados ao cotidiano doméstico. Entre eles, as festas de final de ano. “Acho que misturas inusitadas à mesa costumam sempre dar bons resultados”, comenta Lucila, que abordou o assunto nesta entrevista exclusiva ao Casa.

O que deve ser observado na hora de montar a mesa para o réveillon? O que definitivamente não funciona?

Tenho reparado que as pessoas têm se libertado de modelos engessados. Hoje em qualquer site se pode entender como uma mesa tradicional deve ser disposta. Justamente por isso, acredito que exista um desejo maior de romper com regras. De montar algo realmente pessoal. Além disso, os decoradores profissionais têm se mostrado cada vez mais criativos e ousados ao organizarem festas, cujas fotos acabam circulando pelas redes, provando, na prática, que outros elementos que jamais haviam frequentado mesas antes como, por exemplo, vasinhos de barro, guampas, cascas de coco podem sim, conviver em perfeita harmonia com pratarias, cristais e porcelanas. Assim, prefiro mesas mais autorais do que simplesmente corretas. Quanto ao que nunca funciona são aquelas mesas que, de tão enfeitadas, impedem que a conversa role.

Detalhe de uma mesa de réveillon montada para um jantar a dois

Detalhe de uma mesa de réveillon montada para um jantar a dois Foto: JULIA RIBEIRO/DIVULGAÇÃO

A partir de que momento vale a pena abrir mão do serviço à mesa e servir em sistema de bufê?

Já li muito sobre um número limite de convidados a partir do qual seria mais conveniente servir à americana, mas penso que o mais conveniente seria se perguntar: Disponho de qual estrutura? Pessoalmente, prefiro mil vezes indicar um bufê caprichado a um serviço à francesa ou à inglesa que de alguma forma deixe a desejar. Para servir assim, em geral, é necessário contar com um garçom para cada seis convidados e, além disso, se você não puder contar com uma equipe bem afinada, na certa vai acabar perdendo os fogos, esperando pela sobremesa. O que, convenhamos, é impensável em se tratando de uma festa de réveilllon.

O que recomenda para quem pretende passar a virada do ano a dois ou recebendo uma turma?

A mesma dedicação: recebendo um ou vinte convidados. Não economize nas flores, use o que você tem de melhor guardado e, no caso das mesas retangulares, evite usar só um canto do móvel, deixando todo o resto vazio. Assuma que são 2 pessoas no centro da mesa e monte uma composição impactante, retirando, se necessário, outras cadeiras do ambiente. Já para quem vai receber muitos amigos, considero um ponto de apoio independente para as bebidas algo imprescindível. Numa noite de festa é importante os convidados terem autonomia e livre acesso às bebidas. E nesses locais, seja um bar, um carrinho ou um aparador, quase tudo deve ser liberado, inclusive ícones do kitsch, como gelos personalizados, mensagens divertidas e brilhos. Vale tudo para arrancar um sorriso do convidado e fazer com que ele deseje voltar.

Versão tropical de uma mesa de réveillon montada para receber muitos convidados

Versão tropical de uma mesa de réveillon montada para receber muitos convidados Foto: JULIA RIBEIRO/DIVULGAÇÃO