Espaço para sonhar

Marcelo Lima - O Estado de São Paulo

Especializada na criação de ambientes como quartos, brinquedotecas e casas de bonecas, arquiteta Marta Calasans explica o que as crianças e seus pais esperam dos espaços destinados às crianças

Parede exibe fachada de casinha, em quarto projetado por Marta Calasans

Parede exibe fachada de casinha, em quarto projetado por Marta Calasans Foto: Estúdio Marta Calasans

Tudo começou há alguns anos, quando ela começou a desenvolver quartos para alguns de seus clientes que ganharam filhos ou netos. “De repente despertei para a magia do universo infantil, para todo o potencial deste segmento e resolvi tratar do assunto como gente grande”, brinca a arquiteta Marta Calasans, há 25 anos na área de interiores, boa parte dos quais, desenvolvendo espaços destinados a abrigar e, porque não, entreter crianças: de dormitórios animados a salas de bagunça. De brinquedotecas a casas de bonecas completas. “Projetar para o público infantil tem sido muito gratificante e prazeroso para mim. Quanto mais desafiante é uma proposta, mais eu amo realizar. Adoro quando ouço dos meus clientes mirins: Tia, que irado que ficou!”, como contou a profissional nesta entrevista ao Casa.

Como acabou se especializando na criação de espaços para crianças?

Sou arquiteta especializada em projeto de mobiliário e sempre fui muito atenta a detalhes. Minha aproximação com este universo, de certa forma, aconteceu naturalmente, talvez pelo fato de eu ser apaixonada por crianças. Mas, sem dúvida, pesou muito o fato de ter trabalhado em uma marcenaria de móveis de alto padrão, no início da minha carreira. Foi lá que acabei adquirindo expertise no desenho de móveis, uma habilidade fundamental no tipo de trabalho que desenvolvo hoje para meus pequenos clientes.

A arquiteta Marta Calasans em casa de bonecas decorada por seu estúdio de criação

A arquiteta Marta Calasans em casa de bonecas decorada por seu estúdio de criação Foto: Estúdio Marta Calasans

De maneira geral, o que os pequenos esperam destes ambientes? E os seus pais?

As crianças são muito sonhadoras. Seus desejos, no entanto, nem sempre batem com as aspirações dos pais. Cabe a mim traduzir e sintonizar os sonhos de ambas as partes. De que forma isso acontece? Por exemplo, gosto muito de construir plataformas em meus projetos, de trabalhar em diferentes níveis. Para as crianças, estar no alto, mesmo que não tão alto assim, já é uma aventura. Para os pais, representa a possibilidade de contar com maior espaço de armazenamento de roupas e brinquedos, uma vez que é sempre possível rechear a parte inferior delas com muitos armários e gaveteiros, o que facilita muito a arrumação do quarto. 

O que não pode faltar em um quarto infantil e o que deve ser evitado? 

Penso que o fundamental é criar espaços na escala da criança. Depois, é necessário observar o fator segurança de maneira geral: é sempre conveniente eliminar arestas salientes nos móveis, trabalhar com materiais antialérgicos e não tóxicos, de fácil limpeza e que, na medida do possível, não acumulem poeira. Nos meus projetos, especificamente, procuro sempre oferecer condições para as crianças criarem. Me agrada incentivá-las a desenhar, a se exercitarem nas artes plásticas. Por isso, sempre que posso cuido para que eles sejam equipados com mesinha e cadeirinhas, lousas, rolo de papel, caixinhas para lápis e canetinhas. Também gosto de aguçar a imaginação dos pequenos em um cantinho da fantasia, com palquinho e teatrinho de marionetes, entre outras atividades.

Escorregador em quarto de menino

Escorregador em quarto de menino Foto: Estúdio Marta Calasans