Edícula como novo lar

Vivian Codogno - O Estado de S. Paulo

Construção nos fundos dá origem a casa de campo contemporânea

O bom e velho puxadinho, aquela pequena casa nos fundos de um terreno que já tem uma residência à frente, não precisa, necessariamente, ser resolvido com base em soluções de improviso. E as arquitetas Gabrieli Azevedo e Fernanda Lins, da Matú Arquitetura, levaram isso em consideração ao transformar uma simples edícula em Atibaia, interior de São Paulo, em uma verdadeira casa no campo.

Madeira, branco e tijolinhos aparentes se intercalam com cores vibrantes em busca de uma informação visual contemporânea

Madeira, branco e tijolinhos aparentes se intercalam com cores vibrantes em busca de uma informação visual contemporânea Foto: CAIO NASCIMENTO|PANTERA FILMES

O uso da madeira, no caso, respondeu aos anseios dos proprietários do imóvel, um jovem casal em fuga da rotina intensa de São Paulo. Partiu deles, por exemplo, a opção por manter as vigas de sustentação aparentes no teto para atingir o tom exato desejado. Porém, era preciso agregar a ele uma informação contemporânea. “Sem dúvidas, a madeira é o elemento pivô deste projeto. Desde o início, queríamos projetar uma cobertura única com tesouras aparentes, e mesmo com muitas conversas sobre opções de cores, foi unânime a decisão de deixar a textura do material aparente”, explica Gabrieli sobre as vigas expostas. As ligações elétricas, que se dão por conduítes galvanizados, também foram uma escolha fundamental. Não queríamos que a rusticidade dominasse o ambiente”, pondera a arquiteta.

Definida a informação central, a afetividade dos moradores tomou conta da decisão de outros aspectos do projeto. A escolha da cor foi uma delas. “O branco prevalece a fim de acentuar a textura da madeira. Mesmo na parede de tijolinho, foi escolhido por destacar os tons terrosos”, detalha Gabrieli. “Apenas no quarto do casal é que optamos por deixar o tijolinho aparente, com seu aspecto natural. As cores mais vibrantes se encontram nos equipamentos de apoio, como a escada metálica amarela”, comenta.

Vigas de madeira e peças inusitadas na configuração da sala de jantar mantêm ar ‘bagunçado’ dos moradores

Vigas de madeira e peças inusitadas na configuração da sala de jantar mantêm ar ‘bagunçado’ dos moradores Foto: CAIO NASCIMENTO|PANTERA FILMES

Na cozinha, a marcenaria contínua de MDF com fórmica azul-petróleo é outro dos principais atrativos da casa e também revela algo da simplicidade tão cara aos moradores. “Foi uma escolha extremamente simples: perguntamos para os clientes de qual cor gostavam e os dois responderam, juntos, ao mesmo tempo: azul-escuro”, diverte-se a arquiteta. Sobre a mesa, um poste de luz daqueles de rua faz as vezes de luminária. “A intenção foi trazer elementos industriais que se contrastassem diretamente com a rusticidade geral do projeto.”

Piso de porcelanato que simula madeira é responsável por integração dos ambientes da casa

Piso de porcelanato que simula madeira é responsável por integração dos ambientes da casa Foto: CAIO NASCIMENTO|PANTERA FILMES

Em razão do maior compromisso da reforma, que deveria se manter fiel à irreverência e leveza dos moradores, até mesmo pequenas bagunças foram permitidas na decoração. As cadeiras, mesas e bancos que compõem o mobiliário da cozinha, por exemplo, foram herdados de diversos familiares e remetem a diferentes épocas da trajetória do casal. Sempre, claro, revelando aspectos do mobiliário caipira que os moradores tanto valorizam.