Designers dão dicas de mobiliário para áreas de estudo

Marcelo Lima - Estadão

Para Luciana Sobral e Lucas Colebrusco, da Novidário, o ambiente tem relação direta com o processo de aprendizado

Mesa Vinco, com superfície deslizante para apoio de teclado

Mesa Vinco, com superfície deslizante para apoio de teclado Foto: Hugo Chinaglia

A Novidário é um escritório de design que atua nas áreas residencial, comercial e escolar. Com uma linha de mobiliário fundamentado em pesquisas sobre as mais variadas pedagogias, seus fundadores, Luciana Sobral e Lucas Colebrusco, acreditam que o ambiente de estudo tem relação direta com o processo de aprendizado.

Começamos a desenhar mobiliário estudantil em 2009, quando desenvolvemos todos os móveis de uma escola. Fizemos uma grande pesquisa para entender como o móvel era usado pela criança e também como era visto por diversas linhas pedagógicas”, conta Colebrusco. “Percebemos que o material utilizado na construção deste mobiliário influencia desde suas condições de transporte até sua percepção estética”, conta Luciana, que, em parceria com o designer José Machado, acaba de lançar a cadeira Jataí, que tem na versatilidade sua principal característica.

Assento e encosto são formados por uma peça única de compensado que garante leveza e conforto térmico”, explica a designer, que, ao lado de seu sócio, falou ao Casa sobre mobiliário e áreas de estudo. 

O que deve ser observado no projeto de um móvel para estudo?

Luciana Sobral: Penso que ele deve funcionar como uma ferramenta para o estudo. A ergonomia, disciplina que estuda a relação do corpo humano com os objetos, e organização são os principais parâmetros. Para ficarmos concentrados nossos pés precisam estar apoiados no chão. Na escrivaninha Adapta, por exemplo, um de nossos projetos, a altura do tampo “cresce” junto com a criança, de modo que ela pode ser adequada tanto para receber uma criança de 5 anos ou até um adulto. Em termos de organização, a peça tem sua superfície frontal revestida de cortiça. Assim, a criança pode fixar nela seu calendário, sua tabela de números e lembretes.

O que uma estação de trabalho para uma criança estudar deve conter? 

Lucas Colebrusco: Uma estação básica consiste em uma escrivaninha com cadeira, prateleira e gaveteiro. Comecemos por uma criança pequena. No caso, somente a escrivaninha e a cadeira já são suficientes, ambas, claro, na altura adequada para o tamanho da criança. Com o tempo, a prateleira será útil para armazenar os livros e pastas escolares. O gaveteiro pode ser a próxima peça a ser adquirida para completar o conjunto e armazenar material auxiliar como papéis, lápis, cola e régua. 

O gaveteiro Anexo, com rodinhas, um dos projetos do estúdio 

O gaveteiro Anexo, com rodinhas, um dos projetos do estúdio  Foto: Hugo Chinaglia

Onde e como ela deve ser instalada em casa?

Luciana Sobral: O adequado é a estação ficar no quarto, com o espaço da criança preservado para o estudo, com a prateleira logo acima da escrivaninha, deixando o material acessível e organizado. O gaveteiro ao lado, servindo como apoio lateral. Assim, a superfície da escrivaninha fica livre durante o tempo do estudo. Já no caso de um espaço específico, como um home office, existem estantes que podem ser usadas como divisória entre ambientes, preservando o local do estudo. A face voltada para a escrivaninha pode armazenar o material escolar, a voltada para a sala, objetos de decoração. 

Os designers Luciana Cabral e Lucas Colebrusco, da Novidário

Os designers Luciana Cabral e Lucas Colebrusco, da Novidário Foto: Guto Seixas