Comemore a chegada da primavera com 10 vasos que você mesmo pode fazer

João Abel - O Estado de S. Paulo

Às 17h02 de sexta-feira, 22, a nova estação chegou ao hemisfério sul

Quando o relógio bateu 17h02 da última sexta-feira, 22, a primavera chegou oficialmente ao Brasil e a todo o hemisfério sul do planeta. Para celebrar tão aguardada data – ainda mais após um inverno paulistano de temperaturas especialmente baixas – o Casa resolveu sair a campo e levantar quais são as variedades de flores mais populares no País. Mas não só. Decidiu dedicar a cada uma delas um vaso único: capaz de realçar suas características e criado a partir de material reciclado. De garrafas plásticas a tubos hidráulicos.

Com potes de plástico e anilina, as cores das astromélias ganham ainda mais destaque

Com potes de plástico e anilina, as cores das astromélias ganham ainda mais destaque Foto: Zeca Wittner/Estadão

Segundo o Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor) e a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), as rosas continuam sendo as queridinhas do público, mas as orquídeas, pelo seu preço acessível e durabilidade, não ficam atrás. As duas surgem como campeãs de vendas. Os brasileiros parecem também não abrir mão de uma certa aura de romantismo, sugerido pelo apreço a variedades como o lírio e o crisântemo. Embora não percam de vista variedades mais extravagantes, tais como a astromélia e o kalanchoe. Ainda que muitas vezes não relacionem o nome à criatura.

Apesar da grande oferta, são mais de cinco mil plantas ornamentais cultivadas em solo nacional, a lista das dez mais inclui ainda variedades tradicionais como cravos, gérberas, violetas e begônias. “As flores, de fato, fazem toda a diferença em um ambiente. Não abro mão delas”, afirma o arquiteto Marco Aurélio Viterbo, que se dedica pessoalmente a produzir os arranjos que ornamentam, permanentemente, sua casa. “A correria do dia a dia não deve impedir que eles possam fazer parte da decoração. Tudo depende de escolher as espécies e o tipo de composição floral mais adequada a cada ambiente”, diz.

Nesse sentido, para quem prefere trabalhar com vasos preenchidos por flores de corte, ou seja, formando um tradicional buquê, uma dica valiosa é estar atento ao tamanho do caule e à coloração das pétalas. O lírio, por exemplo, é uma flor vistosa e de grande porte, que não exige arranjos muito chamativos.

Já a rosa, por seu apelo clássico, não precisa ter um suporte que tire seu protagonismo. Ela basta por si só e, portanto, o melhor é optar por bases transparentes. O que é válido tanto para composições com a flor feitas a partir de cabos curtos quanto longos. Composições em formato de ramalhetes, como os sugeridos pelos kalanchoes, se encaixam bem a suportes menores, que não ampliem ainda mais o volume ocupado pelas flores. O mesmo se passa com as begônias e as violetas.

Por fim, como comprovam as soluções que você confere nesta reportagem, não se preocupe tanto com o tipo de suporte. Mas, sim, que o conjunto se harmonize com seu estilo de vida e que coloque a sua flor preferida em destaque. Inspire-se nas nossas sugestões e aproveite a primavera!