Chave para abrir espaço

Bete Hoppe - O Estado de S.Paulo

A decoradora Flora Gusmão integra ambientes e revisita o clássico em seu apartamento nos Jardins

Conforto, praticidade, economia. Eis o trinômio que pautou a reforma no apê de 174 m² de Flora Gusmão, nos Jardins, para onde ela se mudou seis meses depois de iniciada a obra, em março de 2006. O novo desenho privilegia ambientes sociais generosos e integrados, porém cada um com função bem demarcada. O segredo? Repetição de materiais, paredes brancas e largas aberturas sem portas. Um dos dormitórios, por exemplo, teve a porta fechada e se tornou sala de jantar, que se comunica com o estar através do vão central aberto em uma das paredes - restaram apenas duas estreitas colunas laterais. Das chaises de chenile listrado (a partir de R$ 50 o metro linear, na Donatelli), onde Flora se refestela para assistir à TV de plasma, avistam-se as cadeiras medalhão Luís Felipe, do século 18, em volta da mesa de jantar de jacarandá dos anos 60, para seis lugares (cerca de R$ 6.500, na Filter). As paredes ganham cor com a obra vermelha de Marcelo Nitsche e o quadro de Fernando Stickel. Vale citar ainda o busto art nouveau, presente da artista plástica e madrinha Renina Katz, cujas obras se vêem aqui e ali - caso das xilogravuras dos anos 50 no hall de entrada, onde a mesa de jacarandá Dom João, há anos com Flora, apóia a prataria inglesa. Clássico revisitado Bergères beges (a partir de R$ 2 mil, no Depósito São Martinho) marcam o limite com o estar, decorado no estilo que Flora define como "clássico revisitado". Exemplos? As almofadas Aubusson no sofá de couro branco (réplica da Casa Chanel, feita pelo tapeceiro Paschoal Ambrósio), sobre o tapete francês (design de Didier Gomez para a Toulemonde Bochart). A estrela, porém, é a estante de imbuia que cobre os 9 metros da parede, desenhada por Flora (execução da Marcenaria Gardênia, com preço sob consulta). Mais do que abrigar livros, som e TV, esse elemento é o elo com o escritório, onde segue como bancada sob a janela. O computador, posicionado na quina, revela a área de trabalho, mas a escrivaninha de rádica dos anos 40 se harmoniza na decoração. Um ar provençal Da sala de estar também se vê quase toda a cozinha, graças ao novo acesso, mais largo, aberto na parede curva (a porta original foi fechada). Uma parede chanfrada veda a entrada de serviço, atrás do fogão. Entre modernos aparelhos de inox, o paneleiro suspenso sobre a mesa de madeira com tampo de mármore, adaptada como bancada central, confere um ar provençal. Ventilação e luz natural entram pela janela na lavanderia, agora conjugada. Ali, o boiler deu lugar ao aquecedor a gás e as máquinas de lavar e secar roupas ocupam o antigo lugar do tanque, que foi deslocado para o centro da bancada. O quarto de empregada serve de depósito e o banheiro, remodelado, ganhou vaso e chuveiro separados - tudo escondido por duas placas vai-e-vem. No corredor para a ala íntima, dois móveis no padrão da estante guardam louças, copos e adega vertical Eurocave (preço sob consulta, no Club du Taste-Vin). Flora obteve a suíte com closet ao anexar um quarto a um banheiro. "Foi uma opção mais ou menos óbvia neste caso", afirma ela. A pia separa-se do banho por porta com ranhuras no perfil de alumínio. A escolha por esse acabamento, segundo ela, "dispensa o batente convencional e não sofre ação de cupim". Também vaso sanitário e chuveiro ganharam divisória diferenciada: uma folha de vidro encaixada no perfil em L parece solta na parede azulejada e elimina o box. O segundo banheiro se dividiu em lavabo e toalheiro. Tacos substituídos Revestimento usado em todos os ambientes, o porcelanato rústico (Casa Bianco, de 45 cm x 45 cm, R$ 52,90 o m², na Portobello) ficou no lugar d os tacos de peroba, que estavam danificados, e do surrado carpete verde. "O custo com mão-de-obra e manutenção é mais barato", diz Flora. A economia com portas e revestimentos (azulejos brancos da linha Arquiteto, da Portobello, 9,5 cm x 9,5 cm, por exemplo, custam R$ 29,90 o m²) reverteu na compra da prática coifa de inox (Gama Line 90 da Tuboar, cerca de R$ 4.520). Já no closet, prateleiras e cortinas de voile dispensaram gastos extras com marcenaria, o que pagou o ar-condicionado. "Garanto que gastei bem menos do que normalmente gastaria por conta dos materiais", afirma Flora (que cobra em média R$ 50 o m² por projeto).