'Casa é pele', diz Jum Nakao

- O Estado de S.Paulo

.

 

Mais do que emprestar estampas para tingir produtos, o profissional tem mergulhado no fazer design. Aqueles mesmos cortes a laser compõem, por exemplo, uma poltrona metálica que concebeu e está à venda na A Lot Of. Para a mesma loja, fez interferências com tecidos produzidos por uma comunidade carente do bairro do Brás em assentos assinados por Michel Arnoult, um dos precursores do móvel seriado no Brasil. Há ainda a estante vertical, com módulos pivotantes, a ser lançada pela Tok&Stok. Nessa peça colorida, parece ficar evidente um traço de influência na obra do autor: o lúdico.

 

Veja também:

mais imagens Galeria de imagens do trabalho de Jum Nakao

 

especial Estética do estilo

linkRua e retrô inspiram Sommer

linkVerão eterno de Slama

linkAndré testa a geometria

linkAdriana: escola de estampas

linkAntenadíssimo Herchcovitch

 

Em busca de um design mais "humano e holístico", Jum prossegue em seu caminho – aliás, muitas vezes feito de bicicleta. "É bom ser gauche", comenta. Quando criança, uma professora o ensinou a desenhar uma maçã, indicando que começasse por misturar vermelho e amarelo para, aos poucos, chegar à casca da fruta. "Descobri, com isso, que as coisas não são feitas apenas de contorno", divaga o paulistano de 42 anos, que, pela essência de sua produção, foi recentemente homenageado na Holanda, onde teve convite para ser exilado intelectual. Recusou.