Arquiteto Arthur Casas lança 1ª linha de móveis com Etel Interiores

Marcelo Lima - O Estado de S. Paulo

Lançada na última quarta-feira, 29, coleção conta com dez peças inéditas

Criado-mudo Mucama, com gaveta e bandeja deslizantes 

Criado-mudo Mucama, com gaveta e bandeja deslizantes  Foto: Fernando Lazlo

A primeira colaboração do arquiteto Arthur Casas com a Etel Interiores, famosa pela excelência construtiva e material de seus móveis, data de 2010. Na ocasião, um conjunto de mesas de variados tamanhos e funções – de trabalho, centrais e laterais – anunciava a chegada ao mercado de um designer profundamente ligado à tradição modernista brasileira. E a um particular sentido de equilíbrio e suavidade. 

À coleção inicial, recebida por público e crítica com grande entusiasmo, se seguiram um sofá em 2010 e, no início deste ano, à sinuosa poltrona Saci. Agora chegou a hora de ampliar a família. Lançada na última quarta-feira, 29, a mais nova coleção do arquiteto para a movelaria dos Jardins traz nada menos que dez peças inéditas.

“Imagino que exista, de fato, uma grande e perceptível relação entre o design dos meus móveis e a identidade dos meus projetos de arquitetura. Todos os trabalhos do nosso estúdio são verdadeiramente pessoais, sejam eles edifícios, interiores ou peças de mobiliário. Não desvinculo uma coisa da outra. Sempre que desenho móveis os imagino ocupando ambientes que crio” admite Casas

Feitos de madeiras como imbuia e freijó, combinadas a pedras, couro ou tecido; as novas criações, incluem aparadores, sofás, camas, mesa de jantar e cadeiras, e ocupam hoje o andar térreo da loja, que foi inteiramente modificado para revelar a ‘casa de Arthur’

O banco Eunuco com estofamento revestido de palha de seda

O banco Eunuco com estofamento revestido de palha de seda Foto: Fernando Lazlo

Percebo uma abordagem mais suave, menos rígida nesta coleção, se consideradas suas peças anteriores. Houve alguma intenção neste sentido?

Interessante isso. Confesso que não tinha notado. De fato, nos últimos anos, a minha arquitetura tem ‘feito as pazes’ com o traço curvo, não ortogonal. Certamente isso acaba se refletindo no mobiliário que desenho.

Como designer, quais as questões que você se coloca no momento de projetar um móvel?

Minha ambição permanente é desenhar móveis realmente necessários. Desenho pensando, antes de mais nada, nas minhas necessidades enquanto arquiteto, em dimensões que o mercado normalmente não me oferece, no conforto de quem vai usá-los e, claro, em meu particular conceito de beleza.

De que forma as técnicas e matérias empregadas determinaram o desenho da coleção?

Todos os móveis produzidos pela Etel têm como ponto de referência a excelência da marcenaria. Ainda assim, eu estava sentindo falta de outros materiais que pudessem entrar como coadjuvantes nas minhas coleções. Daí resolvi usar pedra, metal e espelho, na composição de algumas peças. Quase usamos cerâmica para compor as portas do aparador, mas o peso desse material acabou inviabilizando a ideia tecnicamente. Quem sabe em uma próxima vez.

A mesa Rino, de imbuia

A mesa Rino, de imbuia Foto: Fernando Lazlo

O arquiteto Arthur Casas

O arquiteto Arthur Casas Foto: Jhonatan Chicaroni